24/07/2024 03:44:23

Geral
13/06/2024 22:00:00

Naval, considerado “homem de guerra”, assume maior milícia do Rio

Naval dominou comunidades de Antares e Rola, consideradas estratégicas para a milícia da Zona Oeste. Ele é o chefe após a morte de Pipito


Naval, considerado “homem de guerra”, assume maior milícia do Rio

Metropoles

De acordo com a Polícia Civil e o Ministério Público do Rio, seis dias após a morte do miliciano Rui Paulo Gonçalves Estevão, conhecido como Pipito, a maior mílicia da cidade já tem um novo líder. Trata-se de Paulo David Guimarães Ferraz Silva, conhecido como Naval, por ter sido fuzileiro naval.

Segundo os órgãos, ele é considerado um homem de guerra da milícia, violento e responsável por vários homicídios. Inclusive, existe a suspeita de que Paulo David tenha participado do homicídio de Jerômino Guimarães Filho, o Jerominho, em 2022. Ele era o antigo chefe da milícia Liga da Justiça.

“Após a captura do Pipito, monitoramos os movimentos da milícia e eventuais consequências”, disse João Valentim, delegado titular da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), responsável pela prisão

As investigações da Polícia Civil do Rio apontam que, antes da morte de Pipito, Naval ajudou a reforçar a região da Carobinha, que chegou a sofrer com investidas de traficantes do Comando Vermelho, além de proteger as comunidades que já comandava, como Barbante e Vilar Carioca, de ataques da mesma facção.

Agora, Paulo David passa a dominar também as comunidades de Antares e Rola, consideradas estratégicas para a milícia da Zona Oeste, que eram comandadas por Pipito.

“A percepção é que se trata de uma liderança sobretudo na comunidade do Barbante e atuava em consórcio com o falecido de vulgo Pipito. Com a morte deste, tende a assumir o papel de unir cada vez mais os grupos armados, ainda fragmentados”, analisou Fábio Corrêa, coordenador do Grupo de Atuação Especializada e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio.

As investigações apontaram que Jerominho foi morto porque o então chefe da organização criminosa, Luís Antônio da Silva Braga, o Zinho, descobriu um plano dele para retomar a liderança da quadrilha.

Segundo a Polícia Civil e a denúncia do MPRJ, Paulo David foi um dos autores da execução do miliciano e de seu amigo, Maurício Raul Atallah, em Campo Grande, em plena luz do dia.

Pipito morto em operação policial

A operação foi realizada pela Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) e pela Subsecretaria de Inteligência (Ssinte) da Polícia Civil na Favela do Rodo, em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio.

Segundo a polícia, o miliciano e seguranças estavam em uma casa e reagiram à prisão. Houve troca de tiros e os três foram baleados.

Conforme a Draco, o criminoso trocou de carro várias vezes para despistar a polícia antes de ser morto.

Ainda de acordo com a polícia, Pipito tinha uma função relevante dentro da organização da milícia na qual atuava, era homem de confiança, ganhou autonomia de Zinho e já vinha sendo investigado há anos, antes mesmo da morte de Carlinhos 3 Pontes, em 2017.

 



Enquete
De 0 a 05 classifique o que você acha da Verde a Concessionária de Água e Esgotos em União dos Palmares
Total de votos: 109
Notícias Agora
Google News