14/04/2024 05:05:58

Mundo
28/03/2024 00:00:00

Al-Qaeda anuncia morte do líder de sua mais perigosa facção, terrorista procurado pelos EUA

Khalid Saeed al-Batarfi comandava a organização extremista no Iêmen e era alvo de uma recompensa milionária de Washington


Al-Qaeda anuncia morte do líder de sua mais perigosa facção, terrorista procurado pelos EUA

A Referência

Al-Qaeda anunciou no domingo (10) a morte de Khalid Saeed al-Batarfi, líder da organização terrorista no Iêmen. Sem dar detalhes sobre a causa da morte, o grupo apenas divulgou um vídeo que mostra o corpo do extremista envolto em uma mortalha branca, preparado para uma cerimônia fúnebre islâmica. As informações são da agência Associated Press (AP).

O Departamento de Estado dos EUA, através do seu programa “Recompensas da Justiça”, oferecia US$ 5 milhões (R$ 24,92 milhões) a quem fornecesse informações sobre o paradeiro de al-Batarfi. Ele liderava a Al-Qaeda na Península Arábica (AQAP, na sigla em inglês), tida por Washington como a facção mais perigosa da organização extremista.

Batarfi tinha nacionalidade saudita e se juntou à Al-Qaeda há mais de 20 anos. As primeiras ações foram no Afeganistão, em 1999, pouco antes de atuar com o Taleban durante a invasão norte-americana ao país. Ele estava desde 2010 no Iêmen, onde comandou a invasão da província de Abyan, no sul.

Em ao menos duas ocasiões o terrorista foi preso, uma delas em outubro de 2020, conforme revelado em relatório da ONU (Organização das Nações Unidas) no ano seguinte. Porém, em ambas as oportunidades ele foi solto, ora em uma fuga da prisão, ora liberado pelo governo iemenita.

Além de confirmar a morte de seu líder, a AQAP disse que o sucessor dele será Saad bin Atef al-Awlaki, outro que é alvo de uma recompensa do Departamento de Estado. “Ele apelou publicamente por ataques contra os Estados Unidos e os seus aliados”, diz o texto do governo norte-americano.

Por que isso importa?

Embora as ações antiterrorismo globais tenham enfraquecido os dois principais grupos jihadistas do mundo, Estado Islâmico (EI) e Al-Qaeda, ambos conseguem se manter relevantes e atuantes. A estratégia dessas duas organizações inclui o recrutamento de novos seguidores através da internet e a forte presença em zonas de conflito como a África, onde são representadas por grupos afiliados regionais. O Afeganistão, agora sob o comando do Taleban, também é um porto seguro para muitos jihadistas.

O continente africano ganhou importância em meio às derrotas impostas às grandes organizações jihadistas em outras regiões, caso do Oriente Médio. Em 2017, o exército iraquiano anunciou a queda do EI no Iraque, com a retomada de todos os territórios que o grupo dominava desde 2014. O EI, que chegou a controlar um terço do país, hoje mantém por lá apenas células adormecidas que lançam ataques esporádicos. Já as Forças Democráticas Sírias (FDS), apoiadas pelos EUA, anunciaram em 2019 o fim do “califado” criado pelos extremistas do grupo na Síria.

Em fevereiro de 2022, o EI sofreu um duro golpe quando o exército norte-americano anunciou ter matado Abu Ibrahim al-Hashimi al-Qurashi, líder da facção. Em outubro, o próprio grupo revelou que Abu al-Hassan al-Hashimi al-Qurashi, sucessor de Abu Ibrahim, também foi morto. Um terceiro líder do grupo, Abu al-Hussein al-Husseini al-Qurashi, foi morto em abril de 2023.

No caso da Al-Qaeda, que igualmente mantém facções relevantes na África, a sobrevivência do grupo pode ser explicada também pela tomada de poder pelo Taleban no Afeganistão. “As avaliações dos Estados-Membros até agora sugerem que a Al-Qaeda tem um porto seguro sob o Taleban e maior liberdade de ação”, diz relatório da ONU divulgado no final de maio de 2023.

“A Al-Qaeda permanece no sul e leste do Afeganistão, onde tem uma presença histórica”, diz o relatório. “O grupo supostamente tem de 180 a 400 combatentes, com as estimativas dos Estados-Membros inclinando-se para o número mais baixo”, prossegue o documento, que cita cidadãos de BangladeshÍndiaMianmar e Paquistão como a base da facção.

O ex-líder da organização Ayman al-Zawahri, inclusive, foi morto em território afegão em um ataque das forças armadas dos EUA no dia 1º de agosto de 2022.

Anteriormente, a ONU já havia lembrado que a Al-Qaeda chegou a parabenizar publicamente os talibãs pela ascensão ao poder. E alegou que um filho de Bin Laden, Abdallah, visitou o Afeganistão em outubro de 2021 para reuniões com o Taleban.

Terrorismo no Brasil

Episódios recentes mostram que o Brasil é visto como porto seguro pelos extremistas e é, também, um possível alvo de ataques. Em dezembro de 2013, levantamento do site The Brazil Business indicava a presença de ao menos sete organizações terroristas no Brasil: Al-Qaeda, Jihad Media Battalion, HezbollahHamas, Jihad Islâmica, Al-Gama’a Al-Islamiyya e Grupo Combatente Islâmico Marroquino.

Em 2016, duas semanas antes do início dos Jogos Olímpicos no Rio, a PF prendeu um grupo jihadista islâmico que planejava atentados semelhantes aos dos Jogos de Munique em 1972. Dez suspeitos de serem aliados ao EI foram presos e dois fugiram.

Mais tarde, em dezembro de 2021, três cidadãos estrangeiros que vivem no Brasil foram adicionados à lista de sanções do Tesouro Norte-americano. Eles foram acusados de contribuir para o financiamento da Al-Qaeda, tendo inclusive mantido contato com figuras importantes do grupo terrorista.

A ameaça voltou a ser evidenciada com a prisão, em outubro de 2023, de três indivíduos supostamente ligados ao Hezbollah que operavam no Brasil. Eles atuavam com a divulgação de propaganda do grupo extremista e planejavam atentados contra entidades judaicas.

Para o tenente-coronel do exército brasileiro André Soares, ex-agente da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), tais episódios causam “preocupação enorme”, vez que confirmam a presença do país no mapa das organizações terroristas islâmicas.

“A possibilidade de atentados terroristas em solo brasileiro, perpetrados não apenas por grupos extremistas islâmicos, mas também pelo terrorismo internacional, é real”, diz Soares, mestre em operações militares e autor do livro “Ex-Agente Abre a Caixa-Preta da Abin” (editora Escrituras).

A opinião é compartilhada por Barbara Krysttal, gestora de políticas públicas e analista de inteligência antiterrorismo.

“O Brasil recorrentemente, nos últimos dez, cinco anos, tem tido um aumento significativo de grupos terroristas assediando jovens e cooptando adultos jovens para fazer parte de ações terroristas no mundo todo”, disse ela, que também vê o país sob ameaça de atentados. “Sim, é um polo que tem possibilidade de ser alvo de ações terroristas.”



Enquete
Na Eleição de outubro, você votaria nos candidatos da situação ou da oposição?
Total de votos: 19
Notícias Agora
Google News