26/02/2024 04:11:49

Saúde
31/01/2024 08:00:00

O que é pré-eclâmpsia, complicação pouco falada da gravidez

Muitas mulheres só recebem informações a respeito quando são diagnosticadas com a condição, apesar de ser um dos principais motivos de mortalidade materna. Aqui está o que você precisa saber.


O que é pré-eclâmpsia, complicação pouco falada da gravidez

Em 2012, Koiwah Koi-Larbi estava na 25ª semana de sua primeira gravidez e muito feliz. Ela e sua família estavam animados com o inchaço de suas pernas, pés e mãos. Em Gana, ficar muito grande durante a gravidez é sinal de que um menino está a caminho, disse ela à DW.

Mas Koi-Larbi notou outros sintomas além do inchaço. Ela estava sentindo dores de cabeça e algo chamado dor epigástrica, uma dor na parte superior direita do estômago. Ela tinha azia e estava vendo "todos os tipos de manchas" em si. Quando ela comunicou seus sintomas à enfermeira, ouviu que "era assim mesmo".

Um dos desafios do diagnóstico que Koi-Larbi receberia mais tarde – pré-eclâmpsia – é o fato de que muitos dos sintomas podem ser difíceis de reconhecer pelas próprias gestantes e por profissionais de saúde, como sua enfermeira, que não são treinados para identificá-los.

A pré-eclâmpsia é uma das principais causas de mortalidade materna em todo o mundo. Ela é caracterizada por pressão alta durante a gravidez, algo que as mulheres geralmente não conseguem sentir.

"Você pode ter [pressão alta] e não perceber", disse Joyce Browne, professora de saúde global e epidemiologia na UMC Utrecht, na Holanda. Se conseguir perceber, poderá notar sintomas como os de Koi-Larbi ou "uma sensação geral de não estar se sentindo bem", afirmou.

A incidência da pré-eclâmpsia varia de país para país. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que as taxas são cerca de sete vezes mais altas nos países em desenvolvimento do que nos desenvolvidos. Globalmente, ela causa cerca de 12% das mortes maternas por ano.

Estágios da pré-eclâmpsia: convulsão, coma, morte

No final daquele mês, Koi-Larbi começou a ter convulsões e foi levada às pressas para o hospital às 2h da manhã. Disseram-lhe que ela estava com eclâmpsia – resultado de pré-eclâmpsia não tratada, que pode levar ao coma e até mesmo à morte se não for tratada a tempo.

A única coisa que poderia salvar Koi-Larbi e seu bebê naquele momento era uma cesárea de emergência.

No caminho para o hospital, seu então marido havia conversado com a mãe dela por telefone. Sua mãe não ficou surpresa com a condição da filha. "Ah, essa é a minha doença", ela afirmou. Koi-Larbi disse que essa foi a primeira vez que soube que sua mãe havia tido pré-eclâmpsia.

Browne aconselha todas as mulheres que passam por uma gravidez a perguntarem às suas mães se elas tiveram pressão alta em suas gestações. "É um fator de risco importante", disse. "Se você sabe que sua mãe teve, é motivo para você ficar mais atenta."

Koi-Larbi conheceu seu bebê três dias após o parto. Ele era minúsculo e pequeno demais para ser amamentado – 48 horas depois, o bebê desenvolveu uma complicação e faleceu. "Ficamos destruídos", disse.

Segunda e terceira gestações

Koi-Larbi estava determinada a ter um filho. Na verdade, seu sonho era ter cinco. Ela engravidou novamente um ano depois, em 2013. Cinco meses após o início da gravidez, ela viajou para os Estados Unidos para ser cuidada lá pelo resto da gestação. Mais uma vez, teve pré-eclâmpsia de início tardio, mas conseguiu dar à luz uma menina com 37 semanas.

Motivada pela experiência positiva do parto, ela engravidou pela terceira vez em 2017. Ela teve os mesmos sintomas que havia tido em suas outras gestações, mas eles eram menos intensos. Dessa vez, disse, ela estava apenas exausta.

Com 26 semanas, ela foi ao hospital para verificar sua pressão arterial. Ela não estava sentindo nenhum sintoma intenso, mas sabia, por causa de suas gestações anteriores, que esses exames eram cruciais. Sua pressão arterial estava 150 por 100 – alta o suficiente para que o médico recomendasse sua internação no hospital.

No quarto dia de Koi-Larbi no hospital, uma parteira verificou os batimentos cardíacos do bebê e não conseguiu sentir nada. Um médico confirmou que ela havia perdido o bebê. A equipe médica realizou uma cirurgia para remover o feto morto do corpo de Koi-Larbi, salvando sua própria vida.

"Nesse ponto, sim, estava traumatizada. Estava fazendo perguntas. Estava pensando, duas vezes, isso é muito para mim", disse Koi-Larbi.

Durante sua recuperação, ela começou a procurar respostas na internet. Encontrou grupos de apoio à pré-eclâmpsia, mas somente nos EUA, Reino Unido e Austrália. Ela se comunicou com eles e criou seu próprio grupo de ajuda, que chamou de Action on Preeclampsia Ghana.

O objetivo de Koi-Larbi era fornecer informações sobre a doença e aumentar a conscientização das mulheres e dos profissionais de saúde. Ela queria fazer parcerias com pesquisadores para encontrar maneiras de melhorar a situação em Gana. E oferecer um ponto focal onde as mulheres que tiveram pré-eclâmpsia poderiam ter acesso a aconselhamento.

"No nosso contexto, não é fácil falar ou conversar sobre sua saúde mental e, a menos que você tenha um marido e uma família que lhe dêem apoio durante esse período traumatizante, você terá de lidar com esse tipo de coisa sozinha", disse Koi-Larbi.

Em 2019, já com a Action on Preeclampsia Ghana em funcionamento, Koi-Larbi, munida de anos de conhecimento, engravidou pela quarta vez. "Havia muita esperança para essa", disse. Mas, dessa vez, ela desenvolveu a síndrome HELLP, a forma mais grave de pré-eclâmpsia, e teve que dar à luz para não perder a própria vida. O bebê de 1 kg morreu três dias após o nascimento.

Os três atrasos ligados à mortalidade materna

A saúde materna é um indicador de como um sistema de saúde funciona e o quanto priorizamos a saúde das mulheres, disse Browne.

"A maioria das mulheres é saudável quando inicia a gravidez. Mas pode haver complicações que exigem atendimento rápido e de boa qualidade. E se você não tiver acesso a esse atendimento rápido e de boa qualidade, [isso pode significar] resultados adversos, e os resultados adversos podem ser literalmente letais."

Especialistas como Browne analisam a mortalidade materna por meio de algo chamado modelo dos "três atrasos".

O primeiro atraso ocorre por parte da própria mulher – ela não acha que sua dor é grave o suficiente para justificar atenção médica e a ignora.

O segundo atraso é logístico – as barreiras que uma mulher pode enfrentar ao tentar chegar a um posto de saúde. Essas barreiras são piores em vilarejos remotos, onde as mulheres podem morar a horas de distância de um posto de saúde.

O terceiro atraso é a qualidade do atendimento quando a mulher chega ao hospital.

Titus Beyou, um médico de Gana que pesquisou a pré-eclâmpsia, disse que, depois que as mulheres chegam ao hospital, a qualidade da comunicação entre elas e o médico pode determinar esse terceiro atraso.

Não é incomum que uma gestante seja informada que precisa interromper a gravidez e dar à luz imediatamente sem receber uma explicação do motivo ou entender o que o médico está dizendo, disse Beyou. Isso pode levar a paciente a rejeitar o tratamento para sua condição, simplesmente porque não entende o que está acontecendo.

Mulher em zona rural com um bebê no colo e dando a mão para uma criança
Distância de posto de saúde motiva um dos "três atrasos" ligados à mortalidade maternaFoto: DW

Koi-Larbi disse que foi uma falha de comunicação como essa que levou à morte de seu primeiro bebê. "A ignorância matou meu bebê", disse Koi-Larbi. "Não havia sido informado."

É uma amarga ironia que, mesmo quando as mulheres têm acesso aos cuidados de saúde de que precisam, algumas podem até rejeitar o tratamento por causa de suas convicções religiosas. E isso pode levar a outra forma de mal-entendido, disse Beyou.

"Elas perguntarão: 'Por que você quer me dar um bebê prematuro?'" Elas não aceitam o tratamento – o parto prematuro, crucial e que salva vidas – até que consultem o pastor, afirmou.

Os hospitais de Gana avaliaram a possibilidade de resolver esse problema contratando capelães para trabalhar de plantão em suas instalações, disse Beyou. Mas o país tem muitas religiões diferentes e várias denominações de cada uma delas, o que torna a solução não abrangente.

Mas talvez esse seja o ponto importante: cada mulher e sua gravidez são individuais e únicas. Assim como Koi-Larbi descobriu, cada uma de suas gestações foi diferente. Os especialistas afirmam que o cuidado na gravidez não se resume ao parto ou a uma emergência. Os cuidados devem começar desde o início.

dw.com/pt-br



Enquete
Se fosse fosse gestor, o que você faria em União dos Palmares: um campo de futebol ou a barragem do rio para que não falte agua na cidade?
Total de votos: 56
Notícias Agora
Google News