27/02/2024 11:25:56

Guerra
27/11/2023 00:00:00

Ucrânia: Vítimas civis aumentam à medida que a guerra entra no segundo inverno

A ONU disse que desde a invasão russa em fevereiro do ano passado, mais de 10 mil civis, incluindo 560 crianças, foram mortos, e mais de 18,5 mil feridos


Ucrânia: Vítimas civis aumentam à medida que a guerra entra no segundo inverno

A Missão de Monitorização da ONU (Organização das Nações Unidas) afirmou que o número de vítimas na guerra da Ucrânia representa as mortes verificadas de acordo com a sua metodologia, alertando que o número real pode ser significativamente mais elevado, dados os desafios e o tempo necessário para a verificação.

“Dez mil mortes de civis é um marco sombrio para a Ucrânia”, disse Danielle Bell, chefe da Missão de Monitorização, acrescentando que a guerra, que entra agora no seu 21º mês, “corre o risco de evoluir para um conflito prolongado, com o grave custo humano a ser doloroso para entender.”

A monitorização também mostrou que um número significativo de vítimas civis ocorreu muito além das linhas de frente, atribuídas principalmente à implantação de mísseis de longo alcance pelas forças armadas russas e à ociosidade de munições contra alvos em áreas povoadas em todo o país.

“Quase metade das vítimas civis nos últimos três meses ocorreram longe das linhas de frente. Como resultado, nenhum lugar na Ucrânia é completamente seguro”, alertou a Bell.

Reunião do Conselho de Segurança

Entretanto, em Nova York, o Conselho de Segurança da ONU reuniu-se para discutir a situação na Ucrânia, onde os embaixadores foram informados por altos funcionários.

Miroslav Jen?a, Secretário-Geral Adjunto do Departamento de Assuntos Políticos, alertou que há indicações de que os ataques contra civis e infraestruturas civis na Ucrânia poderão aumentar ainda mais durante a próxima estação mais fria.

“O impacto para milhões de ucranianos será terrível enquanto se preparam para o segundo inverno de guerra”, disse ele.

Conflito implacável

Os acontecimentos recentes destacam a natureza implacável do conflito, acrescentou, observando que os ataques aéreos russos persistem em todo o país, com Kiev a sofrer ataques com mísseis pela primeira vez em dois meses, no dia 11 de novembro.

Embora a capital tenha escapado de vítimas naquela noite, os ataques a Kiev e arredores continuam, incluindo ataques de drones no fim de semana. Outras partes da Ucrânia, incluindo a cidade de Kherson, recapturada pela Ucrânia há mais de um ano, continuam a sofrer bombardeamentos intensos e regulares, resultando em mortes de civis, disse Jen?a.

Situação humanitária

Informou também aos membros do Conselho de Segurança que a situação humanitária está a deteriorar-se rapidamente, exacerbada pelos ataques às infraestruturas energéticas e pela antecipação de condições climáticas frias.

Um Plano de Resposta de Inverno, desenvolvido pela ONU e pelos seus parceiros em colaboração com as autoridades ucranianas, está em pleno andamento, disse ele, apelando a apoio internacional urgente para fornecer recursos essenciais a 1,7 milhões de pessoas necessitadas.

São também necessárias contribuições contínuas para o Plano de Resposta Humanitária para a Ucrânia de 2023, acrescentou, que atualmente só é financiado em 54%.

As agências humanitárias não conseguem alcançar cerca de quatro milhões de ucranianos nas áreas controladas pela Rússia nas regiões de DonetskLuhansk, Kherson e Zaporizhzhia na Ucrânia devido ao acesso limitado, disse Jen?a, afirmando:

“Os parceiros humanitários estão prontos para expandir as operações nestas áreas – se tiverem acesso e apoio adequado.”

Segurança alimentar nacional e global

Também informando o Conselho, Matthew Hollingworth, Diretor Nacional do Programa Alimentar Mundial (PMA), falou do impacto da invasão russa na segurança alimentar na Ucrânia e no mundo.

“Hoje, devido às hostilidades, os ucranianos estão impedidos de aceder aos mercados para comprar alimentos e os agricultores relataram que já não conseguem produzir alimentos – uma situação que tem um impacto dramático dentro e fora da Ucrânia”, disse ele.

A situação é particularmente grave nos assentamentos próximos às linhas de frente, em meio a temores de que só piore no inverno.

“Cerca de uma em cada cinco famílias ucranianas enfrenta algum nível de insegurança alimentar grave. Quanto mais próximo alguém vive das hostilidades, mais críticas são essas necessidades”, disse ele.

Impacto nos próximos anos Hollingworth também informou aos embaixadores que os campos na Ucrânia estão contaminados com minas e munições não detonadas e que as famílias não conseguem cultivar alimentos para se alimentarem.

Acrescentou que se os ataques a essas infraestruturas alimentares e o bloqueio das rotas de exportação marítima continuarem, “isso terá um impacto dramático nas perspectivas de produção agrícola nos próximos anos”.

“Esta exportação de produtos significa que as pessoas são alimentadas em todo o mundo. É importante lembrar que a Ucrânia foi responsável por 9% das exportações globais de trigo, 15% das exportações de milho e 44% das exportações de óleo de girassol antes de fevereiro de 2022”, disse ele.

A Referência



Enquete
Se fosse fosse gestor, o que você faria em União dos Palmares: um campo de futebol ou a barragem do rio para que não falte agua na cidade?
Total de votos: 56
Notícias Agora
Google News