29/02/2024 12:09:52

Guerra
23/10/2023 04:00:00

A frente esquecida: por que a Síria está se tornando uma dor de cabeça para a Rússia

Artigo relata os confrontos aéreos com os EUA, a perda de terreno pelas forças do governo e o quanto isso pode afetar Moscou na Ucrânia


A frente esquecida: por que a Síria está se tornando uma dor de cabeça para a Rússia

Durante vários anos, a Rússia estabeleceu como missão conjunta com o Irã expulsar os Estados Unidos da Síria – e, idealmente, de todo o Oriente Médio. No entanto, a invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia e o subsequente alinhamento crescente com Teerã tiveram, na verdade, o efeito oposto: a presença dos EUA na região está aumentando.

Na verdade, Washington tem finalmente uma justificativa clara para continuar a sua campanha na Síria. Quanto mais a Rússia se envolve no Oriente Médio, mais difícil se torna para Moscou lidar com a Ucrânia.

Além do confronto da Rússia com os Estados Unidos, a situação dentro da própria Síria tem se agravado, e Moscou também precisa lidar com os problemas de integração dos mercenários restantes do Wagner Group às forças armadas regulares após o desmantelamento da organização paramilitar privada e a morte dramática do seu líder, Evgeny Prigozhin. Estas dificuldades crescentes estão transformando o país devastado pela guerra numa dor de cabeça para Moscou, minando as esperanças de que a Síria não distraia a liderança russa da guerra na Ucrân.

Desde esta primavera (no Hemisfério Norte), a Rússia intensificou as atividades nos céus da Síria. Além dos ataques contra militantes, esta atividade é dirigida contra as forças dos EUA presentes no país. Aviões e drones russos sobrevoam instalações militares americanas, contrariando os acordos entre as duas potências sobre a delimitação de áreas de atividade. Os militares dos EUA relataram repetidamente manobras perigosas por parte de pilotos da força aérea russa em relação a drones e aviões de combate americanos, enquanto os militares russos, por sua vez, afirmam que os incidentes no céu são causados ??pela violação dos acordos pelos americanos.

Conter os Estados Unidos já fazia parte do trabalho das forças russas na Síria, mas, anteriormente, era em grande parte responsabilidade da marinha. Agora Moscou se força a mudar o foco para a aviação, uma vez que quase não restam navios russos no Mediterrâneo. Tornou-se muito difícil rodar as forças navais após a invasão da Ucrânia pela Rússia, quando a Turquia fechou o Estreito de Bósforo aos navios militares, isolando a frota russa do Mar Negro da Síria.

O aumento de incidentes entre aviões de guerra russos e norte-americanos coincidiu com um aumento nos confrontos entre os americanos e representantes iranianos na Síria. De acordo com vazamentos de informação nos meios de comunicação, Teerã e Moscou têm coordenado as suas ações como parte de um esforço conjunto para expulsar Washington da região. Enquanto a aviação russa exerce pressão aérea sobre os Estados Unidos, as forças por procuração iranianas realizam ataques com mísseis contra alvos americanos na Síria e no Iraque.

Esses ataques têm como objetivo mais assustar do que causar danos, e geralmente os foguetes erram intencionalmente o alvo e explodem em algum lugar próximo. Contudo, nem sempre é esse o caso, e alguns lançamentos mataram e feriram pessoal da base dos EUA. Foi depois de um desses ataques em 2020 que o então presidente dos EUA, Donald Trump, ordenou o assassinato do general iraniano Qasem Soleimani.

O problema é que os esforços da Rússia e do Irã para expulsar os Estados Unidos do Oriente Médio têm precisamente o efeito oposto. A presença militar dos EUA na região só aumenta.

Em julho, Washington enviou o destróier USS Thomas Hudner para o Golfo Pérsico, juntamente com caças F-35 e F-16, além das forças existentes. Poucos dias depois, foram acrescentados mais dois navios com forças de desembarque marítimo com o objetivo declarado de proteger os navios comerciais das “atividades de desestabilização iranianas na região”. Como resultado, o número de tropas americanas no Golfo atingiu o seu nível mais alto nos últimos anos.

Para combater o “comportamento pouco profissional” dos pilotos russos na Síria, caças F-22 Raptor adicionais de quinta geração foram enviados diretamente para a Síria. Os militares dos EUA afirmam que estas aeronaves adicionais ajudam a impedir tal comportamento.

As ações dos EUA vão além da implantação de novas unidades. No final do verão, os americanos tentaram unir todas as forças aliadas na Síria, incluindo as estruturas tribais árabes, numa única coligação em torno da base americana em Al-Tanf e das Forças Democráticas Sírias (FDS), cuja espinha dorsal é composta por unidades curdas.

A julgar pelos recentes confrontos entre grupos pró-americanos, a criação de uma frente unificada está longe de ser uma tarefa fácil. Ainda assim, o fato de os Estados Unidos estarem envidando esforços nesse sentido indica que Washington não tem intenção de ceder à pressão russo-iraniana na Síria – especialmente considerando que qualquer tensão adicional na Síria distrai Moscou da Ucrânia.

O objetivo da Rússia de manter uma presença relativamente discreta na Síria, que não exija recursos financeiros excessivos ou seja uma distração das frentes ucranianas, está se tornando cada vez mais irrealista, sobretudo devido à maior presença dos EUA, motivada pelas próprias ações provocativas de Moscou naquele país.

Existem, no entanto, outros problemas não diretamente relacionados com a Rússia. O governo de Bashar al-Assad recuperou o controle sobre a maior parte da Síria, mas isso não significou necessariamente um regresso à vida normal. A fome e a corrupção tornaram-se partes integrantes da paisagem socioeconómica local e, no final do verão (do Hemisfério Norte), surgiram grandes protestos em diversas áreas sob controlo de Damasco, por vezes acompanhados de confrontos em grande escala. A situação é tão grave que as autoridades perderam parcialmente o controle sobre a província de Suwayda.

Longe de os acontecimentos na Síria se estabilizarem, portanto, a instabilidade está aumentando e não há soluções para os problemas econômicos do país. neste ano, os vestígios do grupo Estado Islâmico (EI) se reanimaram mesmo no país, procurando explorar a nova onda de insatisfação.

Tudo isto acontece num momento em que a Rússia precisa descobrir o que fazer com os remanescentes do exército mercenário Wagner. As tentativas iniciais de substituir o grupo na Síria por tropas militares russas levaram as duas formações à beira de um conflito armado. O processo não será fácil, e um enfraquecimento da influência da Rússia parece inevitável.

O facto é que o Wagner Group fez na Síria o trabalho que o Ministério da Defesa russo executou mal: desenvolver depósitos de petróleo, estabelecer ligações com grupos locais, reforçar a presença da Rússia em novas áreas e realizar reconhecimento civil. Os militares russos não podem se transformar da noite para o dia numa força eficaz para enfrentar tais tarefas. De toda forma, o Wagner é uma estrutura complexa com o seu próprio bloco econômico e consultores políticos. Muitos elementos deste modelo simplesmente não têm lugar no Ministério da Defesa.

Os resultados destas dificuldades já podem ser vistos nas tentativas de formações pró-iranianas de assumirem áreas anteriormente dominadas pelo Wagner. Os campos petrolíferos da Síria são um prêmio particularmente tentador.

A posição da Rússia na Síria ainda está longe de ser crítica, mas certos desafios são inevitáveis. A Síria não só não conseguiu se tornar uma base segura para as tropas russas, como também está gerando cada vez mais as suas próprias crises, embora localizadas. Por enquanto.

Fonte A Referência



Enquete
Se fosse fosse gestor, o que você faria em União dos Palmares: um campo de futebol ou a barragem do rio para que não falte agua na cidade?
Total de votos: 59
Notícias Agora
Google News