22/02/2024 09:03:56

Acidente
14/10/2023 00:00:00

Governo confirma morte de mais uma brasileira; quem são as vítimas de ataque do Hamas


Governo confirma morte de mais uma brasileira; quem são as vítimas de ataque do Hamas

O Itamaraty confirmou nesta sexta-feira (13/10) a morte da carioca Karla Stelzer Mendes, de 42 anos, que estava desaparecida esta semana.

Ela é a terceira brasileira morta no conflito entre Israel e Hamas — ao lado do gaúcho Ranani Nidejelski Glazer, de 23 anos, e da carioca Bruna Valeanu, de 24.

Todos estavam em uma festa rave no deserto, a 5 km da Faixa de Gaza, quando foram atacados pelo grupo militante palestino Hamas em Israel no sábado (7/10).

Karla Stelzer morava em Israel há 11 anos, na cidade de Bet Ezra. Ela tinha um filho de 19 anos, que também mora em Israel e faz parte do exército local.

As últimas mensagens que ela enviou para sua família datam da manhã de sábado (7), coincidindo com o início do ataque terrorista conduzido pelo Hamas.

Karla estava com seu namorado no festival de música eletrônica, um cidadão israelense com quem ela mantinha um relacionamento há seis anos. Ele também foi morto.

O Itaramaty não detalhou as circunstâncias da morte de Karla.

Bruna e Ranani

Ranani Nidejelski Glazer

CRÉDITO,REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

Ranani Nidejelski Glazer, de 23 anos, estava em festa rave atacada pelo Hamas no fim de semana

Bruna morava na cidade de Petah Tikva, em Israel. Ela tinha se mudado para o país em 2015 e estudava comunicação social e sociologia em uma universidade em Tel Aviv.

"Ao solidarizar-se com a família, amigas e amigos de Bruna, o governo brasileiro reitera seu total repúdio a todos os atos de violência contra a população civil", informou o governo brasileiro por meio de nota.

No sábado, homens armados cercaram o local onde a festa acontecia, lançaram granadas e dispararam contra os frequentadores, segundo relatos dos sobreviventes e vídeos que circulam nas redes sociais.

Mais de 260 pessoas morreram ali, segundo autoridades israelenses.

Glazer estava junto com outros dois brasileiros — a namorada, Rafaela Treistman, e o amigo, Rafael Zimerman.

Bruna em vídeo publicado na conta do Instagram dela

CRÉDITO,REPRODUÇÃO/ INSTAGRAM

Bruna Valeanu morreu durante os ataques do Hamas em Israel, segundo Itamaraty

 

Treistman disse à emissora CNN Brasil que os três — ela, Glazer e Zimerman — fugiram e se esconderam em um bunker ao ouvir os primeiros disparos.

Porém, o abrigo foi alvo de bombas de gás do Hamas, e ela ficou desorientada. Nesse momento, ela e Zimerman se perderam de Glazer.

"A gente não tinha como sair (de dentro do bunker). Tentamos ligar para a polícia. Enfim, se defendendo literalmente com os corpos das pessoas que morreram pela situação. Em algum momento, eu não vi mais o meu namorado. Não sei se ele levantou, se chegou a sair. Eu não vi mais ele. Eu estava muito desorientada. Eu desmaiava muito, desmaiava e acordava por causa do gás", contou.

Segundo Zimerman, "quando saí do abrigo, dei de cara com a polícia", afirmou ele ao jornal Folha de S.Paulo.

"Estava com a Rafaela. Mas o Ranani infelizmente não saiu com a gente. Chorei demais. Agradeci. O que falei com Deus não está escrito. Quando vi a Rafaela, só pensava em cuidar dela. Sair sem o Ranani foi uma dor enorme para ela", acrescentou ele.

Bruna à esquerda e Ranani à direita

CRÉDITO,FOTOMONTAGEM COM IMAGENS DO INSTAGRAM

Os brasileiros Bruna e Ranani foram encontrados mortos após ataque do Hamas em Israel

Havia por volta de 4 mil pessoas na festa rave.

O festival de música eletrônica foi criado pelo pai do DJ brasileiro Alok, Juarez Petrillo, conhecido como DJ Swarup. A versão em Israel foi promovida e organizada por um produtor local.

'Massacre'

Imagens obtidas pela BBC mostram carros queimados e destruídos nas proximidades do festival de música eletrônica

Imagens obtidas la BBC mostram carros queimados e destruídos nas proximidades do festival de música eletrônica

Em vídeos compartilhados pelas redes sociais, dezenas de pessoas correm no deserto em meio a carros buzinando. Ao fundo, é possível ouvir o som de tiros.

"Pessoas foram mortas em todos os lugares", relata Gili Yoskovich, uma das participantes do festival.

"Esse é um festival para jovens, e muitos deles morreram na estrada."

"Quem tentava fugir era atingido pelas balas. Eles [os combatentes do Hamas] atiravam de todos os lados", diz ela.

Em imagens aéreas feitas após o ataque, é possível ver um dos palcos do evento. Ao fundo, em uma área de floresta, há uma fumaça.

Ao redor, há dezenas de carros abandonados. Alguns estão queimados ou danificados.

Yoskovich descreveu à BBC como se escondeu debaixo de uma árvore em um campo enquanto homens armados atiravam em qualquer pessoa que encontrassem.

"Eles estavam ao lado dos carros e começaram a atirar, mas percebi que era muito fácil morrer ali."

“Algumas pessoas estavam atirando em mim. Saí do carro e comecei a correr, vi um lugar com muitos pomelos [uma fruta cítrica] e fui até lá."

“Eu estava no meio [deste campo], deitada no chão. Eles foram de árvore em árvore e atiravam."

"Vi gente morrendo por todo lado. Fiquei muito quieta. Não chorei, não fiz nada."

“Eu pensava: ‘OK, vou morrer. Está tudo bem, apenas respire e feche os olhos’, porque ouvia tiros de todos os lados, e tudo acontecia muito perto de mim."

"Então ouvi os terroristas abrirem uma grande van para pegar mais armas. Eles ficaram na área por cerca de três horas."

"Eu tinha certeza que o Exército viria, até ouvi alguns helicópteros. Mas não havia ninguém, apenas os terroristas."

"Eles estavam muito perto de mim, minha perna tremia."

 

 

'Fingi estar morta'

Esther Borochov disse à Reuters que estava dirigindo quando o veículo dela foi atingido.

Um jovem dirigindo outro veículo parou e disse a ela que entrasse. Ela entrou no carro, mas o carro foi alvejado por tiros. O motorista foi baleado à queima-roupa.

Esther disse que fingiu estar morta até ser finalmente ser resgatada pelo Exército israelense.

"Não conseguia mexer as pernas", disse ela à Reuters, já no hospital.

Muitos participantes do festival se esconderam em arbustos e pomares próximos por horas, esperando que o Exército chegasse e os resgatasse.

"Coloquei o telefone no modo silencioso e comecei a rastejar por um pomar de laranjeiras", relatou Ortel.

"Os tiros passavam por cima de mim."

BBC News Brasil



Enquete
Se fosse fosse gestor, o que você faria em União dos Palmares: um campo de futebol ou a barragem do rio para que não falte agua na cidade?
Total de votos: 48
Notícias Agora
Google News