22/02/2024 07:11:55

Violência Sexual
12/10/2023 19:00:00

Alagoas registra 194 casos de violência sexual contra criança no primeiro semestre deste ano

Somente o Disque 100 recebeu de janeiro a agosto 60 denúncias de exploração infantil


Alagoas registra 194 casos de violência sexual contra criança no primeiro semestre deste ano

O Dia das Crianças festejado nesta quinta-feira (12) é motivo de comemoração, mas também uma data para reflexão, segundo os órgãos ligados à política dos direitos das crianças e adolescentes.

De janeiro a agosto deste ano, o Centro de Referência em Atenção a Crianças e Adolescentes (Crad), equipamento vinculado à Secretaria de Estado da Cidadania e da Pessoa com Deficiência – Secdef/AL, registrou o total de 194 atendimentos a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual.

Em todo o ano passado foram 444 casos de violência sexual contra crianças e adolescentes. Os números foram passados pela superintendente de Promoção, Fortalecimento e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente da Secdef, Isabela Larisse Gomes.

Ainda segundo ela, o Disque 100 registrou 60 denúncias de exploração sexual infantil no primeiro semestre deste ano em Alagoas.

Na avaliação da Isabela Larisse Gomes, em 33 anos de Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), instituído pela Lei Nº 8.069 de 13 de julho de 1990, a política da criança e do adolescente obteve seu principal marco: o reconhecimento da criança e do adolescente como sujeito de direito, a partir da garantia de direitos fundamentais: vida, saúde, liberdade, respeito, dignidade, direito à convivência familiar e comunitária.

“Durante esse tempo, o ECA possibilitou a consolidação de marcos importantes no Brasil, desde o acesso obrigatório à educação até a redução da mortalidade infantil – com saúde pública em seus níveis básicos de atuação. Destacamos ainda, a atuação dos Conselhos Tutelares e dos equipamentos que compõe o Sistema de Garantia de Direitos em diferentes políticas públicas, para o atendimento, promoção de direitos e prevenção de situações de violência, trabalho infantil e exploração sexual”, afirmou.

Segundo Isabela Larissa Gomes, nestes últimos pontos, há adversidades históricas que precisam ser enfrentadas para a consolidação da política da criança e do adolescente.

Na avaliação da superintendente, além das violações mencionadas, identificadas junto aos altos níveis de violência, analisamos a volta da fome e os impactos da pandemia que despontam como elementos latentes à complexa desigualdade social.

“Como horizonte de avanços, identificamos o protagonismo adolescente nas instâncias de controle social, através da institucionalização dos Comitês de Participação Adolescente – CPA; a institucionalização do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase) em 2012; o Marco da Primeira Infância (Lei Nº 13.257/2016), permitindo o desenvolvimento de políticas para crianças de até 6 anos de idade; a promulgação de leis de proteção como a Lei da Escuta Protegida (Lei nº 13.431/2017) que define critérios para a escuta especializada e depoimento especial, a crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência; as Leis Menino Bernardo (Nº 13.010/2014) e Henry Borel (Nº 14.344/22); entre outros avanços. Apesar da prioridade absoluta, muitos direitos de crianças e adolescentes ainda não são efetivados. Assim, muito se foi feito e ainda tem muito a se fazer”, pontuou Isabela Larisse Gomes.

Segundo o Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente, a política para a Criança e o Adolescente em Alagoas ainda perpassa por vários desafios para sua efetivação.

“O Estado ainda precisa avançar na integração do Sistema de Garantia, dos direitos da criança”, disse.

Tribuna Hoje



Enquete
Se fosse fosse gestor, o que você faria em União dos Palmares: um campo de futebol ou a barragem do rio para que não falte agua na cidade?
Total de votos: 48
Notícias Agora
Google News