25/02/2024 06:33:58

Guerra
05/10/2023 04:00:00

Aliados da Ucrânia alertam que estoque de munição está no fim


Aliados da Ucrânia alertam que estoque de munição está no fim

As potências militares ocidentais enfrentam uma escassez iminente de munições para apoiar a defesa da Ucrânia contra a extensa invasão russa, alertaram o Reino Unido e a aliança militar Otan.

O almirante Rob Bauer, o principal oficial militar da Otan, expressou no Fórum de Segurança de Varsóvia que "agora estamos vendo o fundo do poço".

Ele sublinhou a necessidade urgente de que governos e fabricantes de equipamento de defesa intensifiquem sua produção de forma significativamente mais rápida.

A Ucrânia está consumindo milhares de cartuchos diariamente. A maior parte da munição é fornecida pela Otan.

O almirante, que lidera o Comitê Militar da Otan, indicou que décadas de pouco investimento resultaram no fornecimento de armamentos à Ucrânia pelos países da Otan com estoques de munição já esgotados ou quase vazios.

"Estamos em busca de grandes quantidades. O modelo de 'just-in-time' [de entrega no último minuto, quando o estoque já está baixo]e a abordagem de 'just-enough' [apenas o suficiente] que construímos ao longo de 30 anos em nossas economias liberais são adequados para muitas finalidades, mas não para o contexto militar durante um conflito em curso."

James Heappey, ministro da Defesa do Reino Unido, acrescentou no fórum que os depósitos militares ocidentais "estão um tanto escassos" e instou os aliados da Otan a cumprir o compromisso de gastar 2% de sua riqueza nacional em defesa.

"Se não for agora, durante um conflito na Europa, o momento de gastar 2% em defesa, então quando será?" questionou.

Ele também enfatizou que o modelo 'just-in-time' "definitivamente não é eficaz quando é necessário estar pronto para combater no dia seguinte".

"Não podemos interromper o fornecimento apenas porque nossos estoques estão limitados", continuou Heappey. "Precisamos manter o apoio à Ucrânia hoje, amanhã e nos dias seguintes."

Ele destacou a necessidade de "continuar a contribuir diariamente e reconstruir nossos próprios depósitos de munição".

"O desafio reside no fato de que nem todos os membros da aliança estão gastando 2% de seu PIB em defesa. Esse deveria ser o piso mínimo para nossos gastos em defesa, não o máximo."

O ministro da Defesa sueco, Pol Jonson, enfatizou a importância de a Europa preparar sua base industrial de defesa para oferecer apoio sustentado à Ucrânia.

"Estamos esgotando nossos recursos, nossos estoques", observou.

"E, a longo prazo, é crucial que os ucranianos também possam adquirir equipamentos de defesa da base industrial europeia. Aprendemos algumas lições difíceis sobre escala e volume, especialmente quando se trata de munições de artilharia."

O Ministério da Defesa do Reino Unido declarou que, desde o início da invasão em fevereiro de 2022, o país já forneceu mais de 300 mil cartuchos de munição de artilharia e está comprometido em entregar "dezenas de milhares adicionais" até o final do ano.

O Departamento de Estado dos EUA também relatou que, durante o mesmo período, os Estados Unidos forneceram à Ucrânia mais de dois milhões de munições de artilharia padrão da Otan de 155 mm.

A forte dependência da Ucrânia das munições dos EUA levanta preocupações genuínas entre os aliados da Otan em relação à possibilidade de uma eventual reeleição de Donald Trump como presidente no próximo ano.

Eles temem que o apoio militar dos EUA à Ucrânia possa diminuir caso Trump busque algum tipo de acordo político com Moscou.

Apesar dos esforços para aumentar a produção de munições, o consumo da Ucrânia está crescendo mais rapidamente do que as potências ocidentais conseguem reabastecer.

Os países da Otan e da União Europeia concordaram em diversos planos para compartilhar conhecimentos, estabelecer contratos conjuntos com fabricantes de equipamento de defesa e subsidiar a produção o máximo possível, mas parece que ainda estão enfrentando desafios para atender a essa demanda.

Analistas destacam que, em contrapartida, a Rússia parece ser muito mais capaz de ajustar sua economia em tempos de guerra para reabastecer seus próprios depósitos de munição.

  • James Landale
  • Role,Correspondente de diplomacia em Varsóvia


Enquete
Se fosse fosse gestor, o que você faria em União dos Palmares: um campo de futebol ou a barragem do rio para que não falte agua na cidade?
Total de votos: 56
Notícias Agora
Google News