22/02/2024 08:35:58

Acidente
05/10/2023 12:00:00

Inflação invisível: como empresas reduzem qualidade e cobram o mesmo preço por produtos e serviços


Inflação invisível: como empresas reduzem qualidade e cobram o mesmo preço por produtos e serviços

Chamamos de "reduflação" o fenômeno que leva à diminuição das embalagens dos produtos nas prateleiras enquanto o preço segue o mesmo.

Mas, além disso, empresas também estão reduzindo a qualidade e a disponibilidade dos seus serviços, ao mesmo tempo em que mantêm os preços.

E embora essas mudanças sejam por vezes significativas, muitas vezes passam despercebidas.

Em inglês, o fenômeno foi apelidado de "skimpflation" - uma junção de skimp (poupar) e inflation (inflação).

"A 'skimpflation' é a forma das empresas pouparem mudando a qualidade de um produto ou serviço", diz Scott A. Wolla, educador financeiro do Federal Reserve Bank de St Louis, nos Estados Unidos.

À medida que os preços das matérias-primas sobem com a inflação, as empresas poupam, gastando menos em serviços ou materiais para se manterem lucrativas – cortes que são transmitidos ao cliente, mesmo quando os preços permanecem estáveis.

Em 2021, os consumidores criticaram a Disney por reduzir a oferta de serviços em seus parques temáticos e manter o valor dos ingressos.

Durante o processo de recuperação do isolamento social provocado pela pandemia de covid-19, a empresa não conseguiu retomar o serviço de bondes para transporte de visitantes até os estacionamentos, o que forçou muitas pessoas a caminhar quase um quilômetro para entrar e sair dos parques.

Depois de muitas reclamações, a Disney começou lentamente a oferecer novamente o serviço.

Alterações 'disfarçadas'

Em termos gerais, a "skimpflation" é um problema proeminente que os consumidores enfrentam e que pode se manifestar por meio de mudanças na força de trabalho, como menos funcionários para ajudar nas lojas; rebaixamento da qualidade, eliminando por exemplo níveis de serviço; ou da troca ingredientes de alta qualidade por outros de qualidade inferior na fabricação.

Vários setores estão economizando, mas a maioria dos consumidores não percebe rapidamente a tendência. Isso porque é mais complicado ver isso acontecendo em tempo real.

"Às vezes é difícil observar a qualidade pelos consumidores", afirma Joseph V Balagtas, professor de economia agrícola na Universidade Purdue, nos EUA.

Wolla concorda. "É mais difícil [de perceber] do que a reduflação, quando o consumidor pode simplesmente calcular o preço por unidade – digamos, dólares por grama ou litro."

É simples: é muito mais fácil ler um rótulo e ver que a embalagem de uma bebida está menor do que saber que a cafeteria do seu bairro parou de usar ingredientes orgânicos.

Nos supermercados, explica Balagtas, é cada vez mais comum que os clientes embalem seus próprios itens no caixa, ao invés vez de um funcionário fazer isso por eles.

Caixas de auto-atendimento também estão se tornando mais populares em todo o mundo, com menos trabalhadores disponíveis para ajudar os clientes a pagar – uma mudança que alguns consumidores interpretam como uma degradação do serviço.

Os corredores dos supermercados também estão repletos de produtos que passaram por essa "mudança invisível".

Juntamente com a diminuição do tamanho e da quantidade dos produtos, os fabricantes de alimentos estão alterando a qualidade para reduzir custos.

Frequentemente, isso inclui trocar ingredientes caros e de maior qualidade por outros mais baratos e de qualidade inferior, mantendo os mesmos preços ou até mesmo aumentando-os.

Para poupar dinheiro, por exemplo, Balagtas diz que alguns fabricantes de sorvete reduzem parte da gordura do leite nos seus produtos, substituindo-o por "outros ingredientes, incluindo água e outros componentes do leite, mas também adoçantes", afirma.

Garçom servindo dois pratos de macarrão e frango

CRÉDITO,GETTY IMAGES

Legenda da foto,

Escassez de mão-de-obra e esgotamento dos trabalhadores levam a serviços mais lentos

Se o serviço do restaurante também parece mais lento, não é um fenômeno isolado.

A escassez de mão-de-obra e o esgotamento generalizado dos trabalhadores levam a serviços mais lentos e abaixo do ideal para os clientes.

Em outras áreas da indústria hoteleira, hotéis estão mantendo os preços das diárias, mas oferecendo serviços de limpeza apenas mediante solicitação.

E à medida que estas estratégias se multiplicam diante do aumento dos preços, elas se tornam mais evidentes, especialmente em produtos alimentícios, diz Balagtas.

Embora as empresas possam reagir à resistência dos consumidores, ele acredita que a maioria das empresas previu alguma reação negativa e decidiu que os benefícios superam os custos.

Por enquanto, em uma economia de "skimpflation", os consumidores têm de ser engenhosos e atentos para obterem o melhor negócio. Tanto Balagtas quanto Wolla recomendam comparações para tentar detectar as mudanças feitas pelas empresas.

No entanto, nem toda a esperança por melhor qualidade e serviços está perdida.

A concorrência – especialmente em indústrias onde padrões mais elevados são mais observáveis e essenciais – significa que “existirá um mercado para a qualidade", diz Balagtas. Simplesmente, algumas empresas optarão por oferecer qualidade superior à de seus concorrentes para se destacarem.

No entanto, os consumidores poderão ainda ter de fazer uma concessão: opções de maior qualidade poderão implicar preços mais elevados.

No que diz respeito aos efeitos da inflação, os golpes continuam.

  • Alexis Benveniste
  • Role,BBC Worklife

 



Enquete
Se fosse fosse gestor, o que você faria em União dos Palmares: um campo de futebol ou a barragem do rio para que não falte agua na cidade?
Total de votos: 48
Notícias Agora
Google News