08/11/2017 13:18:32 Justiça

Moro diz que acusações de Lula de parcialidade são 'lamentáveis'




O juiz Sergio Moro afirmou em despacho assinado nesta terça-feira (7) que questionamentos sobre sua imparcialidade são "lamentáveis". Ele negou pedido de exceção de suspeição da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, como parte do processo que trata de reformas no sítio de Atibaia (SP). Com o pedido, a defesa afirmava que Moro não estaria apto a julgar o caso. Requerimentos anteriores, em outras ações, já haviam sido negados pelo juiz e confirmados na segunda instância.

"Os questionamentos sobre a imparcialidade deste julgador constituem mero diversionismo e, embora sejam compreensíveis como estratégia da defesa, não deixam de ser lamentáveis já que não encontram qualquer base fática e também não têm base em argumentos minimamente consistentes, como já decidido, inclusive, por reiteradas vezes pelo Egrégio Tribunal Regional Federal da 4ª Região", diz Moro.

Segundo a denúncia, o ex-presidente se beneficiou de R$ 1,02 milhão em benfeitorias no imóvel, que era frequentado por Lula e seus familiares. As reformas teriam sido pagas pelas empreiteiras Odebrecht e OAS.

Os valores usados nas reformas teriam vindo de contratos das empreiteiras na Petrobras e repassados como vantagem ilícita ao ex-presidente.

Assessor afirma que contava dinheiro na casa da mãe de Geddel

AÇÃO PROSSEGUE

Também nesta terça (7), o juiz assinou outro despacho respondendo as defesas prévias dos acusados.

No documento, Moro sustenta que não há na denúncia a afirmação de que os recursos provenientes dos contratos da Petrobras com a Odebrecht ou com a OAS foram utilizados diretamente para as reformas do sítio.

"O que a denúncia afirma é que, nesses contratos, havia acertos de propinas, que compunham um caixa geral de propinas do Partido dos Trabalhadores com o grupo Odebrecht e com o grupo OAS, sendo que parte delas foi utilizada para as reformas do sítio em Atibaia", diz o texto.

A passagem é uma resposta a um argumento frequentemente utilizado pela defesa de Lula. Os advogados afirmam que não foram provados vínculos de desvios em contratos da Petrobras que tenham beneficiado o ex-presidente, fato que, para a defesa, seria essencial para a condenação.

No despacho, Moro diz que "os crimes de corrupção e de lavagem se configurariam, em princípio, quer os recursos tivessem ou não origem direta nos contratos".

O juiz pediu ao Ministério Público que esclareça em cinco dias se há documentos ou lançamentos na contabilidade de propina da Odebrecht que dizem respeito às reformas no sítio e que, caso positivo, seja produzida a documentação.O pedido veio após requerimento da defesa de Lula para ter acesso ao sistema de contabilidade paralela da empreiteira, já que a acusação afirma que os valores da reforma são de lá provenientes.

No mesmo documento, Moro agenda para fevereiro de 2018 a oitiva de testemunhas de acusação, solicitadas pela Força Tarefa da Lava Jato.

No dia 5 de fevereiro, as oitivas começam com os depoimentos do ex-gerente da Petrobras Eduardo Costa Vaz Musa e dos publicitários Mônica Moura e João Santana.

O juiz questiona, ainda, o pedido da defesa de Lula para arrolar 59 testemunhas de defesa, argumentando que boa parte já foi ouvida em ações penais conexas.

OUTRO LADO

Em nota, a defesa do ex-presidente afirma que Moro foi escolhido pela força-tarefa da Lava Jato "para processar a ação sem que haja qualquer vínculo efetivo do caso com supostos desvios em contratos da Petrobras".

Os advogados ressaltam que "o Supremo Tribunal Federal já decidiu que para definir a competência da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba é necessária a demonstração clara de vínculos reais com desvios em contratos da Petrobras".

Segundo a defesa, o vínculo não se verifica no caso concreto, "como admitido pelo próprio juiz".

Além disso, os advogados criticam o indeferimentos de "todas as provas periciais requeridas pela defesa" e afirmam que "a garantia da ampla defesa está sendo desprezada".

"O ex-presidente Lula não praticou qualquer crime antes, durante ou depois do exercício do cargo de Presidente da República. O julgamento realizado por órgão imparcial e independente irá reconhecer sua inocência." Com informações da Folhapress.

 

 

 


NOTÍCIAS RELACIONADAS


Ex-governaor Teotonio Vilela Filho
12/12/2017 07:37:59 Justiça
Justiça Federal acata denúncia contra ex-governador Teotonio Vilela Filho

Gazetaweb – O Juiz federal de Alagoas Ricardo Luiz Barbosa de Sampaio Zagallo acatou, nesta segunda-feira (11), a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-governador de Alagoas Teotonio Vilela Filho (PSDB). Com a decisão, e...



Ilustração
11/12/2017 13:03:54 Justiça
Ministério Público apura suposto nepotismo em União dos Palmares

Gazetaweb Globo – O Ministério Público Estadual (MPE), por meio da Promotoria de Justiça de União dos Palmares, investiga suposta contratação de familiares do prefeito Areski Damara de Omena Freitas Júnior para exercer cargos políticos, com...



Pleno do TJ
10/12/2017 18:53:44 Justiça
Órgãos priorizam combate à corrupção em Alagoas e TJ condena 62 por improbidade

Gazetaweb - Na última quarta-feira (6), fez dez anos que os alagoanos acordaram com a prisão de deputados estaduais na "Operação Taturana", desmontando um esquema que desviou cerca de R$ 300 milhões dos cofres públicos na Assembleia Legislativa...



Acusado de assassinar capitão é condenado
05/12/2017 09:44:17 Justiça
Acusado de assassinar capitão da PM é condenado a mais de 17 anos de prisão (Vídeo)

Acusado de assassinar o capitão da Polícia Militar, Rodrigo Moreira Rodrigues, em abril de 2016, Agnaldo Lopes de Vasconcelos foi condenado, nesta segunda-feira (4), a 17 anos e três meses de prisão, a ser cumprido em regime inicialmente fechado....



12/12/2017
Visitas: 67562210
Visitas De Hoje: 19007


ENQUETE

De 0 a 5 que nota você dá a atual administração municipio
Total de votos: 703


Tribuna União 2007 - 2017
© Copyrigth - atribunadeuniao@gmail.com