Em breve: Agência Tribuna União de Notícias

25/12/2016 14:05:08 Meio Ambiente | Seca no Nordeste

Em 3 anos, seca severa no Nordeste causa prejuízo de R$ 103,5 bilhões




O prejuízo da seca calculado no Nordeste nesses três anos é equivalente à soma do PIB (Produto Interno Bruto) de 2013 --dados mais recentes do IBGE-- dos Estados de Alagoas, Piauí e Sergipe. Somadas, as riquezas desses Estados naquele ano chegaram a R$ 103 bilhões, sem correção da inflação. Na prática, é como se a economia regional perdesse a riqueza de um desses Estados por ano.

"Esperávamos um valor muito menor. Em um ano compilado, em 2013, por exemplo, o governo federal falou que a seca deu prejuízo de R$ 18 bilhões aos cofres públicos. Mas, quando você vai ver os municípios, que realmente estão conectados com essa realidade, o número é bem maior", afirma um dos responsáveis pelo levantamento, o técnico de Defesa Civil da CNM Johnny Amorim.

Segundo ele, com o sistema criado pelo governo federal, foi possível chegar ao prejuízo material dos eventos. "Antigamente, os governos federal e estaduais tinham muita dificuldade em realizar esses levantamentos. Geralmente, as informações ficavam espalhadas por toda administração pública, em diversos órgãos. Sem essa avaliação, não há como fazer um plano de contingência. A seca, diferentemente da chuva, exige o convívio, é algo permanente."

Quem mais perdeu dinheiro

O estudo detalha os prejuízos da seca por área. O setor mais abalado foi a agricultura, no qual a perda de safra causou um prejuízo no Nordeste de R$ 74,5 bilhões. Na pecuária, foram R$ 20,4 bilhões de prejuízo com a morte e perda de valor dos animais. Já os demais prejuízos são da indústria e do poder público.

"Houve grande frustração de safra em todas as áreas do semiárido, perdeu-se grande parte do rebanho, especialmente de bovinos, não só por morte como também animais que foram vendidos por preços muito baixos para outras regiões. Houve grande perda das pastagens, uso predatório de plantas da caatinga para alimentação animal, morte inclusive de muitas espécies nativas (em determinadas áreas, essas mortes chegaram a 30% a 40% das plantas)", diz o estudo.

Para os técnicos, a seca desta década tem uma característica diferente de outras do passado. "O que houve de diferente para as demais secas históricas de proporções semelhantes é que nesta não se observou o êxodo em massa da população de determinadas áreas ou mesmo os saques em feiras e mercados. Também não houve morte de pessoas por fome e sede. Ainda que não seja uma solução definitiva para o problema, isso se deve em grande parte às políticas de complementação de renda ora em curso no país", destaca o documento, se referindo a programas assistenciais como o Bolsa Família.

Entre dezembro de 2012 e dezembro de 2015, por exemplo, foram 7.371 decretações de emergência ou calamidade pública em decorrência da seca, sendo 6.295 no Nordeste.

"É importante salientar que tanto a União como Estados e municípios jamais conseguiram suprir financeiramente tais prejuízos, uma vez que, de janeiro a setembro de 2015, a seca causou um prejuízo aos cofres públicos municipais nordestinos de R$ 16,4 bilhões."

Para o técnico Johnny Amorim, o desafio das autoridades agora é tentar achar meios de calcular o prejuízo social. "Você sabe que não se morre mais de fome e de sede, mas os problemas de saúde gerados pela falta de água ou pela água de qualidade são desconhecidos. Os governos não têm meios de fazer um levantamento até que ponto vão os prejuízos à população, como um garoto desnutrido ou que tem alguma falta de vitamina pelo consumo de água imprópria ou em escassez", afirma o especialista da CNM.

Produtores sentem

No Nordeste, não há produtor que não tenha sentido o impacto da seca. "São cinco anos de muito pouca água. Tem gente fazendo poço, comprando carro-pipa; tem gente que ainda tem uma palma ou um capim seco para dar ao gado, quem não tem e não pode comprar vende para não ver o bicho morrer de fome", conta Márcio Oliveira da Silva, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Alcantil, no sertão paraibano (a 197 km de João Pessoa).

Segundo ele, o ano de 2016 não foi diferente e chegou a ser pior que em 2015. "A chuva neste ano foi pouca demais. Tivemos quatro, cinco chuvadas só. Plantei três vezes milho e feijão, mas foi perdido."

No sertão de Alagoas, a situação não é diferente. "Há dois anos que não consigo fazem silo para os animais. As barragens todas daqui secaram, e os animais tomam água suja de poços que estão ficando podres", conta o pequeno criador e produtor Isaac Pita.

Segundo um relatório do Banco Mundial divulgado na semana passada, os desastres naturais geram um prejuízo superior a US$ 300 bilhões no mundo e colocam 26 milhões de pessoas na pobreza. O documento traça os impactos humanos e econômicos dos fenômenos meteorológicos extremos sobre a pobreza. Assim como a análise da CNM, o Banco Mundial afirmou que os prejuízos calculados são mais devastadores do que se pensava. UOL // Carlos Madeiro

vídeos relacionados

 


NOTÍCIAS RELACIONADAS


Quase mil municipios já decretaram emergência
30/12/2016 09:39:09 Meio Ambiente | Seca no Brasil
Quase 20% dos municípios entram 2017 em estado de emergência

999 municípios, dos 5.570 existentes no país, vão virar o ano com decretos de anormalidade reconhecidos pela Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil. Isto quer dizer que quase 20% dos prefeitos eleitos vão assumir cidades&...



Foto Ilustrativa
21/12/2016 07:58:31 Meio Ambiente | Meio Ambiente
Verão no Hemisfério Sul começa nesta quarta-feira (21)

Solstício de Verão começa às 8h44 desta quarta; temperaturas devem se manter na média em grande parte do País e mais altas no Norte e Nordeste. O verão começa às 8h44 desta quarta-feira (21). É nessa hora que o Sol vai atingir o seu ponto ...



Foto Ilustrativa
12/12/2016 07:10:45 Meio Ambiente | Meio Ambiente
Sudão pode ser primeiro país a se tornar inabitável devido a mudanças climáticas

As mudanças climáticas estão se tornando uma ameaça cada vez mais grave para a humanidade, podendo causar a devastação de regiões inteiras por escassez de água e alimentos. A informação é da Agência Sputnik. Os cientistas continuam alert...



Foto Ilustrativa
10/12/2016 09:35:25 Meio Ambiente | Meio Ambiente
Chuvas de janeiro não serão suficientes para diminuir estiagem em AL, afirma meteorologista

O verão ainda está no início, mas o calor e a estiagem tanto no Sertão, quanto no Agreste, assusta os alagoanos. Com altas temperaturas, sensação térmica de até 40°, tendência de chuva abaixo da normalidade, deixando o abastecimento de águ...



22/02/2017
Visitas: 64473130
Visitas De Hoje: 18176


ENQUETE

Se a eleição fosse hoje qual seria seu candidato a governador?
Total de votos: 333


Tribuna União 2007 - 2017
© Copyrigth - atribunadeuniao@gmail.com