11/12/2016 11:48:43 Leitura de Domingo | Leitura de Domingo

Ártico em perigo e o clima global ameaçado




Não é novidade que a porção de gelo no Oceano Ártico, que cobre boa parte do Polo Norte terrestre, vem diminuindo consideravelmente de tamanho nas últimas décadas por conta do aumento da temperatura média na região que, por sua vez, acelera o degelo. Nos últimos dois anos, a extensão da cobertura de gelo no Ártico atingiu recordes negativos históricos, sintoma dos recordes sucessivos de altas temperaturas pelo mundo desde 2013. Nesse cenário, o degelo acelerado dos mares do Polo Norte não chega a ser surpreendente, a despeito de ter todos os motivos para ser lamentado.

 

Entretanto, cientistas e observadores estão surpresos com o comportamento da cobertura de gelo no Ártico no começo desta temporada de frio na região, iniciada há pouco mais de um mês. Geralmente, no período de seis meses que o Polo Norte não recebe luz direta do Sol (outono e inverno no Hemisfério Norte), a queda da temperatura no ar e na água resulta na expansão da área congelada do oceano Ártico. Nos últimos anos, com o aumento das temperaturas mesmo na temporada fria, a expansão da área congelada tem sido relativamente menor.

 

Neste ano, ao que tudo indica, o cenário tem sido bem diferente: o ritmo de expansão da cobertura de gelo no Ártico está irregular, sendo que, em alguns momentos, ele tem sido negativo – ou seja, ao invés de aumentar, essa cobertura congelada está diminuindo de tamanho, mesmo na temporada mais fria do ano.

 

“As temperaturas ridiculamente quentes no Ártico em outubro e novembro são totalmente fora do normal em 68 anos de acompanhamento”, aponta Jennifer Francis, cientista climática da Rutgers University, ao site Climate Central.

O aquecimento das últimas décadas resultou no degelo de porções congeladas mais antigas, que foram substituídas nas temporadas frias por porções congeladas mais recentes, que tendem a ser mais frágeis e passíveis de ruptura e derretimento na temporada quente. Na medida em que as temperaturas aumentam na temporada fria, o gelo que se forma é ainda mais frágil.

 

O Ártico é uma das regiões mais afetadas pela mudança do clima. O ritmo de aumento da temperatura média é duas vezes maior que a média global. Estima-se que o oceano Ártico poderá ser livre de gelo durante os verões a partir de 2030 e, se o ritmo de aquecimento global forçar um aumento em torno dos 3 graus Celsius até o final do século XXI com relação aos níveis pré-Revolução Industrial, o cenário pode ser assim também durante o inverno.

 

O degelo no Ártico trará impactos globais que ainda estão sendo analisados pela ciência, mas um impacto garantido desse processo é o desaparecimento do ecossistema que existe nessa grande porção congelada do planeta. O Arctic Resilience Report, publicado na última sexta-feira (25/11) pelo Conselho Ártico (organização intergovernamental que reúne governos, ONGs e universidades dos países da região ártica), traz a primeira análise compreensiva sobre a situação da região ártica e as perspectivas naturais e humanas nas próximas décadas.

 

Baseado em cinco anos de pesquisa científica, o relatório identifica 19 pontos de inflexão (ou de mudanças estruturais) que podem ser observados no ecossistema ártico e afetá-lo profundamente nos próximos anos e décadas, enfraquecendo a capacidade de sobrevivência da fauna, flora e das comunidades humanas tradicionais da região ártica. Os pontos de inflexão ocorrem quando um sistema natural, como a cobertura de gelo polar, passa por mudanças repentinas e devastadoras que acarretam efeitos profundos – e, muitas vezes, irreversível – sobre os ecossistemas de seu entorno.

 

O estudo não apenas identifica esses pontos, mas explora as conexões entre eles, de maneira a examinar os fatores que podem suportar a resiliência e a adaptação das comunidades e dos sistemas naturais nessa região. “Uma das descobertas mais importantes deste estudo é que as mudanças estruturais estão acontecendo de maneira que existe o perigo de que uma mudança possa engatilhar outras, com efeitos inesperados”, explica Johan L. Kuylenstierna, diretor executivo do Instituto Ambiental de Estocolmo, uma das instituições envolvidas na pesquisa.

 

Entender os processos atuais e projetar as mudanças possíveis no futuro é fundamental para garantir a sobrevivência do ecossistema ártico nas próximas décadas, aponta Johan Rockström, do Centro de Resiliência de Estocolmo e um dos líderes do projeto. “Compreendemos poucos sobre como as mudanças estruturais integram umas com as outras. Se várias mudanças se reforçam, os resultados poderiam ser potencialmente catastróficos. A variedade de efeitos que podemos observar significa que as pessoas e as políticas devem estar preparadas”.

 

Rockström alerta também para o efeito maior que as alterações no Ártico poderão acarretar para o resto do planeta. “Esperamos também que algumas dessas mudanças desestabilizem o clima global, com impactos potencialmente maiores”.

 

Para muitas comunidades árticas, o esforço de adaptação já é parte do desafio cotidiano. O relatório aponta que muitas perderam sua subsistência e estão lutando para sobreviver ou para manter sua identidade cultural. “A mudança do clima está estressando severamente a subsistência dos povos árticos, e a capacidade de construir resiliência dessas comunidades frente a esses estresses é bem limitada”, diz Miriam Hultric, uma das autoras do estudo. “Sem uma rápida ação para conter a mudança do clima, reduzindo as emissões de carbono, a resiliência do Ártico será superada”. Página 22

 


NOTÍCIAS RELACIONADAS


Mata ardeu em fogo destruindo a flora e a fauna
18/12/2016 08:02:42 Leitura de Domingo | Leitura de Domingo
Incêndios na Mata Atlântica: acidentes da natureza ou crimes ambientais? - Video -

As imagens a seguir dão uma visão geral do que aconteceu com a 'Serra dos Frios' em União dos Palmares em uma reportagem copiada da Globo. Assista atento e faça uma exame minucioso como ficou a situação do nosso ecosistema outrora rico em espé...



Professores de destaque ministraram o que chamaram de 'Aulão'
04/12/2016 08:38:33 Leitura de Domingo | Leitura de Domingo
Semed de União dos Palmares realiza ‘Aulão’ preparatório para o Exame Seletivo do Ifal

O alunado da rede municipal de ensino de União dos Palmares teve a oportunidade esta semana de participar de um ‘Aulão’ ministrado pelos renomados professores Divonete Martins (Língua Portuguesa) e Rodrigo Veridiano (Atualidades) que serviu co...



Foto Ilustrativa
27/11/2016 12:21:24 Leitura de Domingo | Leitura de Domingo
Cada um de nós precisa diagnosticar e dominar a própria inveja

Dizem que ela mata. Triste morte. Otimistas de nascença afirmam que, se bem-dosada, estimula. Mas sem dúvida adoece aos que dela se inoculam, envenenando suas vidas, à medida que impotentes assistem ao sucesso alheio. Numa inversão kafkiana, suce...



06/11/2016 08:38:18 Leitura de Domingo | Leitura de Domingo
50% dos diabéticos morre devido a infarto ou AVC, diz pesquisa

De acordo com a International Diabetes Federation (IDF), 50% dos óbitos em pacientes diabéticos se devem a problemas cardiovasculares, como infarto e AVC. No entanto, somente 3% desses indivíduos temem as consequências cardíacas da doença, segu...



18/01/2017
Visitas: 63529332
Visitas De Hoje: 8746


ENQUETE

Quais são no seu entendimento as principais carências da comunidade palmarina?
Total de votos: 72


Tribuna União 2007 - 2017
© Copyrigth - atribunadeuniao@gmail.com
site desenvolvido por: Lincoln Luiz - lincolnluiz.com@gmail.com