Em breve: Agência Tribuna União de Notícias

15/07/2016 14:42:35 Opinião | Opinião

Mata-se no Brasil por qualquer coisa




http://www.brasilpost.com.br/jandira-feghal

 

 

Mata-se muito no Brasil. Matam pela cor da pele do menino que sai de casa com um saco de pipoca e matam aqueles que praticam sua sexualidade de forma livre, como o século 21 permite. Matam mulheres por serem mulheres. Agridem, asfixiam, violentam. Somem com elas. As estatísticas se avolumam ano a ano, mostrando que a luta contra a intolerância é uma guerra constante em nosso País.

 

A OMS já emitiu um alerta quando o assunto é a morte de brasileiras. Com um registro de 4,8 mortes a cada 100 mil mulheres, o feminicídio nos coloca na vergonhosa e inaceitável quinta posição do ranking mundial de "mortes de mulheres por serem mulheres". Quando há o recorte étnico, esse número se torna mais assustador. Segundo o Mapa da Violência sobre homicídios no público feminino, de 2003 a 2013, o número de assassinatos de mulheres negras cresceu 54%, passando de 1.864 para 2.875.

 

Os casos de violência doméstica ou estupro dos últimos meses mostram isso e ainda há um enorme trabalho a ser feito quando o assunto é conscientização de nosso povo. Quando uma jovem foi violentada por mais de 30 homens na periferia do Rio ou quando a ex-modelo Luiza Brunet teve quatro costelas quebradas pelo ex-marido, vê-se que essa cultura patriarcal, misógina e machista ainda está impregnada em diferentes nichos de nossa sociedade.

 

A homofobia e o racismo também vêm saindo do armário em velocidade surpreendente. O jovem estudante Diego Vieira Machado, de 24 anos, encontrado morto às margens da Baía de Guanabara, no campus da UFRJ, é mostra disso. Mata-se inclusive por ser negro, homossexual e pobre.

Num país em que o Parlamento brasileiro tem bancadas obscurantistas, que veneram o escárnio às minorias ou pregam o ódio com normalidade, faz-se urgente um chamado à sociedade para que ajude-nos a impedir retrocessos, avançar com pautas propositivas e que ampliem direitos. Não há a menor condição de que não haja uma reação política em nosso país frente aos absurdos que são registrados dia a dia.

 

Para enfrentar esse cenário, é preciso desfazer hierarquias sociais naturalizadas que sustentam a superioridade dos homens sobre as mulheres, dos brancos sobre os negros, dos heterossexuais sobre os homossexuais. É necessário também reverter a ruptura democrática que vivemos há dois meses.


Com a chegada de um governo ilegítimo no poder e sem votos, fundamentado por conservadores e a extrema-direita criminosa, secretarias representativas quanto aos direitos humanos foram extintas e o orçamento de suas políticas públicas cortado. Lutar contra o golpe em curso no Brasil também é lutar por maior proteção de nossas minorias. Chega de mortes diárias por absurdos. A vida vale muito.

 


NOTÍCIAS RELACIONADAS


Ilustrativo
24/10/2016 10:05:05 Opinião | Opinião
Os impactos da inconstitucionalidade da vaquejada

O Estadão // Rubens Sergio dos Santos Vaz Junior      O Supremo Tribunal Federal (STF) declarou inconstitucional a Lei Estadual do Ceará, de nº 15.299/13, que tratava da regulamentação das vaquejadas como práticas esportivas. ...



Dr. Omar Leite ex-presidente da OAB-Al
24/03/2016 17:17:45 Opinião | Pinião
OAB e o golpe

No último dia 18, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil deliberou, por 26 a 2, apoiar o processo de impeachmentcontra a presidente Dilma Rouseff, alicerçado nos atos de improbidade por ela praticados, já em seu segundo mandato, uma v...



Ilustração
26/05/2015 15:05:45 Opinião | Pinião
No confronto entre polícia e bandido, que vença a vida

eassim // fatima almeida   Estranho, o governador Renan Filho dizer que 36 mortes registradas este ano, em conflitos com a polícia, não é um número alto, porque no ano passado, no mesmo período, ocorreram 29. Independente da relação, o...



Marcelo Firmino
29/05/2014 14:26:22 Opinião | Opinião
Os torcedores políticos perdidos entre os sentimentos do amor e do ódio

marcelofirmino //via facebook Na Estrada da vida há os que amam, os que matam, os que odeiam e até os que torcem o pescoço da mãe pela política. Há também, os assessores, os chumbetas, os aspones e os bobos da corte. Quase todos dispostos a ...



22/02/2017
Visitas: 64489755
Visitas De Hoje: 34805


ENQUETE

Se a eleição fosse hoje qual seria seu candidato a governador?
Total de votos: 342


Tribuna União 2007 - 2017
© Copyrigth - atribunadeuniao@gmail.com