27/05/2022 18:44:43

Mundo
23/01/2022 04:00:00

A guerra de informação do Kremlin: quando a mentira é a arma


A guerra de informação do Kremlin: quando a mentira é a arma

A máquina de propaganda russa deturpa e até inventa informações do final de 2021 para justificar ou disfarçar o movimento de tropas para a fronteira com a Ucrânia , segundo a EUvsDisinfo , equipe da União Europeia especializada no combate às mentiras russas sobre a Europa. De acordo com suas análises, tanto o próprio governo de Vladimir Putin quanto a mídia próxima ao Kremlin construíram uma narrativa alternativa aos acontecimentos em que culpam Kiev e a OTAN pela concentração de soldados russos nos portões de seu país vizinho.

A mídia pró-Kremlin publicou dezenas de reportagens defendendo a ideia de que a Rússia mobilizou seus soldados para se preparar contra o "ataque iminente à Ucrânia", nação que acusam de ser dominada por "neo-nazistas" treinados pelas potências ocidentais. Um exemplo deste tipo de mensagem é o aviso de vários meios de comunicação pró-Rússia de que a OTAN pretende instalar bases militares na Ucrânia para invadir a Rússia ou mesmo que 10.000 soldados da Aliança Atlântica já estão no terreno, conforme publicado sem testes de .rt.comúltimo dia 20 de dezembro. “O aviso de que a Ucrânia está preparando uma agressão é uma narrativa muito frequente” dentro da desinformação russa para culpar o Ocidente pela escalada da tensão na Europa Oriental, diz o esquadrão anti-fraude da UE.

No entanto, existem outros tipos de mensagens que podem ser contraditórias a essa narrativa. Alguns meios de comunicação da órbita do Kremlin divulgaram que a imprensa europeia culpou Moscou por uma falsa agressão contra a Ucrânia para justificar a venda de armas a Kiev. Ou que a população pró-russa da região ucraniana de Donbas estava em perigo, motivo que forçou o envio de soldados russos na área.

Essas aparentes inconsistências são, no entanto, parte de uma estratégia de desinformação em que a mensagem principal é a confusão. Segundo EUvsDisinfo, é a implementação da teoria militar russa sobre guerra de informação, que defende a necessidade de criar uma narrativa de forma preventiva para preencher “os espaços vazios no fluxo de informação”. Ou seja, o objetivo não é divulgar uma ideia ou uma mensagem, mas confundir o público com excesso de informação para gerar desconfiança.

Esses tipos de narrativas não são apenas promovidos pela mídia. Em 17 de dezembro, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia publicou rascunhos de duas propostas de acordos, uma com os Estados Unidos e outra com a OTAN , para reduzir a tensão na fronteira com a Ucrânia. Entre suas cláusulas está o compromisso de "não expandir ainda mais a aliança atlântica, incluindo a adesão da Ucrânia e outros estados". Embora os documentos, produzidos por Moscou, não constituam uma oferta séria de negociação, eles contêm em sua redação as tradicionais narrativas de desinformação: que a Rússia é uma superpotência cercada por forças hostis ou que a Ucrânia é uma ameaça à Rússia.

Neo-nazistas e laços históricos

A mídia pró-Kremlin tentou apresentar a Ucrânia como um país implacável. Meios de comunicação como RT ou Sputnik transmitiram um vídeo em suas redes sociais no início de dezembro em que guardas de fronteira ucranianos supostamente mataram um grupo de imigrantes que tentavam entrar no país pela fronteira com a Bielorrússia. Nas imagens, impossíveis de geolocalizar e aparentemente gravadas com uma câmera infravermelha, um grupo de pessoas pode ser visto se movendo no chão à noite, quando são subitamente baleados. O governo ucraniano garantiu que as imagens são falsas.

Outro exemplo recorrente de tentativa de desacreditar a imagem da Ucrânia é a suposta relação entre seus líderes e o neofascismo. O site Ria.ru publicou em dezembro passado que um "terrorismo de Estado" prevalece no país apenas comparável aos "tempos da ocupação nazista". Akhbarak.net e arabic.rt.com também acusaram o "regime ucraniano" de "assassinar a oposição com a ajuda de neonazistas" em suas páginas.

E a única forma de salvação antes do declínio ucraniano, segundo a propaganda russa, é retornar aos braços da pátria. Em 12 de julho, o presidente Putin publicou um artigo de 5.000 palavras intitulado Sobre a unidade histórica de russos e ucranianos, em que o líder do Kremlin expressa seu amor pela Ucrânia – porque “russos, bielorrussos e ucranianos são todos descendentes da Velha Rússia” – mas ao mesmo tempo ameaça se o país romper com a influência russa. Em sua visão particular da história, que aparentemente deriva de sua pesquisa pessoal, Putin afirma: "A Ucrânia foi atraída para um perigoso jogo geopolítico projetado para torná-la uma barreira entre a Europa e a Rússia, um trampolim contra a Rússia". E adverte: "Havia uma necessidade do conceito de 'anti-Rússia' que nunca aceitaremos".

El País



Enquete
Dos nomes elencandos abaixo, quais seus candidatos a deputado (Estadual e Federal)
Total de votos: 223
Google News