21/10/2021 02:44:35

Geral
06/09/2021 22:00:00

Exploração de madeira avança em três Estados da Amazônia, mostra estudo

Falta de detalhamento de dados públicos impede diferenciar o que é extração regular e a ilegal


Exploração de madeira avança em três Estados da Amazônia, mostra estudo

A área de divisa de três Estados - Mato Grosso, Rondônia e Amazonas - está sofrendo uma pressão de desmatamento que já começa a alterar o chamado "arco do fogo" da destruição da floresta no bioma amazônico. A extração de madeira avança sobre o território da floresta, mostra levantamento que avalia o impacto na área. O trabalho mostra o impacto da retirada de madeira na área central daquela divisa tríplice, atingindo também áreas públicas de preservação.

Os dados são de uma parceria das entidades Imazon, Imaflora, Idesam e Instituto Centro de Vida (ICV) com a Rede Sistema de Monitoramento da Exploração Madeireira (Rede Simex). O levantamento mostra que a exploração de madeira se concentra fortemente na região no norte do Mato Grosso, que lidera a exploração com 236 mil hectares afetados, metade da área de extração (51%).

Depois, aparece o Amazonas, que registra com quase 72 mil hectares (15,3%), e Rondônia, com 69,7 mil hectares (15%). Em quarto lugar na pressão da exploração madeireira está o Pará, à direita no mapa, com 50 mil hectares, 10,8% do total da extração. O Acre (em quinto lugar, com 27,4 mil hectares) e, no fim da linha, no extremo norte do País, Roraima (2%) e Amapá (0,2%).

"É a primeira vez que estendemos essa medição do impacto na exploração de madeira na Amazônia. Antes, o algoritmo media apenas dois Estados, Mato Grosso e Pará, mas agora abrange sete Estados", explica Marco Lentini, do Imaflora.

Segundo o especialista, o mapa da exploração de madeira mostra que a pressão das derrubadas na floresta para a sua retirada aponta uma alteração no "arco de fogo". Essa é uma faixa de terra que no mapa vai do Acre, passando por Rondônia e sul do Amazonas, norte de Mato Grosso, chegando ao Pará e o Amapá. A extração agora atinge fortemente também áreas mais centrais dessa curva, principalmente na altura da fronteira do Amazonas.

Estudo mostra extração em unidades protegidas

Lentini destaca que os dados apontam um forte impacto da exploração em áreas públicas. O ranking da atividade madeireira sinaliza o ataque em áreas que deveriam estar livres da ação predatória. A retirada de madeira atinge 28.112 hectares, 6% do total explorado na Amazônia, acontecendo dentro das Unidades de Conservação.

A ação ocorre também em 24,8 mil hectares de Terras Indígenas (5%). A área indígena mais atingida, entre as dez que registraram exploração de madeira, foi Tenharim Marmelos, no Amazonas, com 6.330 hectares afetados pela retirada de madeira. "Esse é um dos principais pontos do levantamento", diz Lentini. "Pelo menos um quarto da extração já acontece em terras públicas, unidades de conservação e terras indígenas", avalia o pesquisador.

https://www.terra.com.br/  



Enquete
Você concorda com a mudança da feira livre de União dos Palmares para a margem da BR-104?
Total de votos: 324
Google News