10/04/2021 16:21:45

Atualidade
08/04/2021 00:00:00

Conversa de Bolsonaro e Putin indica que Brasil possa ter mudado política externa, dizem analistas


Conversa de Bolsonaro e Putin indica que Brasil possa ter mudado política externa, dizem analistas

Diálogo entre Bolsonaro e Putin mostra que talvez o presidente brasileiro tenha visto necessidade em mudar a política externa brasileira e percebe condução da pandemia como fator de queda na popularidade, dizem especialistas ouvidos pela Sputnik Brasil.

O presidente Jair Bolsonaro conversou por telefone nesta terça-feira (6) com o presidente da Rússia, Vladimir Putin. Segundo a Secretaria de Comunicação Social do governo brasileiro, os chefes de Estado trataram da compra e da produção da vacina russa Sputnik V, desenvolvida para combater a COVID-19.

ligação também contou com a presença do diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, do ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto Franco França, do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga e outras autoridades do governo federal.

Para Rodrigo Prando, cientista político da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Bolsonaro viu que a condução do Palácio do Planalto na pandemia da COVID-19 é mal avaliada entre os brasileiros, principalmente no que se refere à vacinação da população.

"Bolsonaro sabe que as pesquisas indicam que a intenção de voto que ele tem para 2022 já está numericamente sendo superada pela presença do Lula. Ao mesmo tempo, a desaprovação do seu governo tem aumentado. O elemento principal [da desaprovação] é a falta de gestão na resolução da pandemia. Essa ligação é um indício de que o presidente novamente reage tardiamente, mas melhor reagir do que ficar absolutamente estacionado", disse à Sputnik Brasil.

Segundo Prando, Bolsonaro está tentando se desvencilhar da figura do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

"O alinhamento imediato, quando não uma situação até mesmo de subserviência, por parte do presidente Bolsonaro e do ex-chanceler Ernesto Araújo ao Donald Trump acabou por atrapalhar a relação do Brasil no cenário internacional com outros países e com outros governos", completou.

Jair Bolsonaro e Vladimir Putin se encontram durante a cúpula do BRICS, em Brasília.
© AP PHOTO / ERALDO PERES
Jair Bolsonaro e Vladimir Putin se encontram durante a cúpula do BRICS, em Brasília.

O Palácio do Planalto informou que Bolsonaro e Putin também falaram sobre temas de comércio e cooperação nas áreas de indústria, defesa e ciência. Bolsonaro "enfatizou a necessidade que mais frigoríficos brasileiros sejam liberados para exportação" na Rússia.

Moisés Marques, professor do curso de Relações Internacionais da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESP), também atribuiu o telefonema com Putin ao mal desempenho de Bolsonaro nas pesquisas de opinião.

"Ele [Bolsonaro] quer mostrar que está tomando uma medida estratégica, buscando diretamente nas fontes as possibilidades de novas formas de imunização porque a vacinação é muito mal avaliada pela população. Tem um gesto simbólico em Bolsonaro telefonar diretamente para o Putin", afirmou à Sputnik Brasil.

Marques diz que o presidente brasileiro "está tentando dar sinais que quer retomar algumas práticas antigas de política externa".

"Houve uma tentativa de freio e de arrumação porque o que estava acontecendo no Ministério das Relações Exteriores era absurdo. O governo está tentando mostrar que o Brasil pode voltar a ter um certo multilateralismo, um certo pluralismo nas relações exteriores", comentou.

Rodrigo Prando acredita que a atitude de Bolsonaro é um sinal aos setores da economia brasileira que pedem imunização em massa.

"Essa ação do Bolsonaro discutindo vacinas, fabricação, compra e vendas de carnes para o exterior é um sinal que, talvez premido pela necessidade de mudar a política externa, e tendo que dar uma resposta aos atores políticos e ao mercado brasileiro, o presidente tenha feito esse gesto", completou.

A Sputnik V ainda não tem autorização para uso emergencial no Brasil. O pedido feito pela União Química ainda está sendo avaliado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Governadores de pelo menos 11 estados já pediram a importação de mais de 66 milhões de doses do imunizante russo.

br.sputniknew



Enquete
Em pleno pico da pandemia, você acha correto as aulas presenciais em União dos Palmares
Total de votos: 340
Google News