10/04/2021 15:42:21

Mundo
30/03/2021 00:00:00

Terceira onda leva Europa a restringir exportação de vacinas

Comissão Europeia reforça controle para a venda de imunizantes contra o coronavírus, ao priorizar os princípios da proporcionalidade e da reciprocidade


Terceira onda leva Europa a restringir exportação de vacinas

De olho nos princípios da reciprocidade e da proporcionalidade, a Comissão Europeia — órgão executivo da União Europeia (UE) — reforçou o controle para a exportação de vacinas contra a covid-19. A decisão causou grave desconforto no Reino Unido, três meses depois de sua saída do bloco. As restrições visam garantir a imunização dos cidadãos da UE, atingidos pela terceira onda da pandemia. “A UE se orgulha de ser o lar dos fabricantes de vacinas, que não somente as entregam a cidadãos do bloco, mas as exportam para todo o mundo. Embora nossos países-membros enfrentem a terceira onda pandêmica, e nem todas as empresas cumpram o seu contrato, a UE (…) continua a exportar vacinas em grande escala para dezenas de países. No entanto, estradas abertas devem seguir em ambas as direções”, advertiu Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia.

“Por isso, a Comissão Europeia introduzirá os princípios da reciprocidade e da proporcionalidade no mecanismo de autorização existente da UE”, acrescentou Ursula. Por sua vez, o organismo informou no Twitter que “passará a considerar a reciprocidade — se o país de destino restringe as próprias exportações de vacinas ou de insumos, seja por lei ou por outros meios — e a proporcionalidade: a situação epidemiológica da nação de destino, sua taxa de vacinação e seu estoque de imunizantes”.
O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, reagiu com indignação à medida anunciada por Bruxelas. Ele atacou “bloqueios arbitrários” de vacinas e advertiu que as restrições sobre a entrega de imunizantes poderiam danificar a reputação da União Europeia e inibir multinacionais de investirem em países do bloco. Na tentativa de apaziguar os ânimos, o Reino Unido e a Comissão Europeia divulgaram comunicado conjunto no qual exortavam uma “cooperação aberta e global” no combate à pandemia e prometiam buscar uma solução “mutuamente benéfica” e capaz de “intensificar o fornecimento de vacinas para os nossos cidadãos”.

Professor de epidemiologia da Universidade de Bremen (Alemanha), Hajo Zeeb admitiu ao Correio que, apesar de “alguma tensão, há poucas dúvidas de que a UE, como a maior produtora de vacinas, continuará a exportar doses”. “De fato, com alguns países, como o Reino Unido, será necessário chegar a algum acordo, ante a preocupação com práticas de distribuição injustas — muitas doses vão para o Reino Unido, nenhum para fora do Reino Unido”, disse. “A fábrica do consórcio global Covax Facility não deveria ser afetada. No entanto, a produção na Índia deve ser motivo de preocupação, pois o Serum Institute of India não está exportando no momento.”Segundo Zeeb, países como o Brasil não devem ser afetados pelo imbróglio entre Londres e Bruxelas. “O Brasil não está no centro da discórdia. É óbvio que os controles de exportação de vacinas devem ser motivo de preocupação, especialmente para nações com produção própria inexistente ou limitada”, afirmou. “Apesar de considerar como antiético e muito imprudente o corte sobre as exportações de vacinas, vejo que existe um forte elemento de mercado no momento, e os países ricos detêm maior poder de compra. Será extremamente importante garantir que qualquer dose disponível seja distribuída, rápida e globalmente, incluindo as doses excedentes solicitadas pelos países ricos da UE e de outras regiões.”

Problemas

No meio da disputa entre britânicos e a Comissão Europeia, a farmacêutica AstraZeneca reconheceu problemas no repasse das doses adquidas pela UE, embora o órgão executivo do bloco sustente que parte da produção em território europeu vai para o Reino Unido. Desde a adoção do mecanismo de controle de exportação, em janeiro, mais de 300 autorizações para a venda foram emitidas pelos países do bloco, referentes ao embarque de 40 milhões de doses para 33 nações.

Correio Braziliense



Enquete
Em pleno pico da pandemia, você acha correto as aulas presenciais em União dos Palmares
Total de votos: 340
Google News