16/12/2019 04:00:15

Mundo
10/11/2019 11:00:00

Presidente Morales denuncia golpe de Estado na Bolívia


Presidente Morales denuncia golpe de Estado na Bolívia

O presidente boliviano, Evo Morales, denunciou nesta sexta-feira (08/11) um suposto golpe em andamento no país, após os motins da polícia em pelo menos quatro regiões.

"Irmãs e irmãos, a nossa democracia está em perigo pelo golpe de Estado que grupos violentos lançaram contra a ordem constitucional. Denunciamos perante a comunidade internacional esse ataque ao Estado de direito", anunciou Morales após reunião de emergência com vários ministros e o comandante das Forças Armadas, general Williams Kaliman.

"Peço ao nosso povo que cuide pacificamente da democracia e da CPE [Constituição Política do Estado], para preservar a paz e a vida como a propriedade suprema acima de todo interesse político", acrescentou.

Dezessete dias após o início dos protestos contra a reeleição de Morales, pelo menos quatro unidades policiais bolivianas demonstraram apoio aos manifestantes, nas capitais Sucre (constitucional) e La Paz (executiva e legislativa), assim como em Cochabamba (no centro) e Santa Cruz (leste). Cenas de confraternização entre agentes policiais e manifestantes oposicionistas foram observadas em La Paz.

Antes da reunião de emergência, o ministro da Defesa Javier Zavaleta anunciou que Morales, que é constitucionalmente o capitão geral das Forças Armadas, dera ordens para que as Forças Armadas não intervissem: "Nenhum militar vai às ruas de qualquer cidade do país", afirmou. Admitindo a ocorrência de um motim policial na cidade de Cochabamba, Zavaleta garantiu que relatos de revoltas policiais semelhantes em outras zonas do país são "boatos".

O Supremo Tribunal Eleitoral (TSE) boliviano rejeitou nesta sexta-feira as alegações de irregularidades nas apurações do voto eletrônico, evocando um relatório da empresa de auditoria Ethical Hacking, que não teria encontrado "qualquer alteração de dados". Segundo a imprensa nacional, contudo, o presidente da companhia, Álvaro Andrade, apontou "vulnerabilidades" na contagem.

O líder cívico Luis Fernando Camacho exortou os militares, através do Twitter, a "apoiar a cidadania mobilizada". Camacho tornou-se o principal opositor de Evo Morales, exigindo que renuncie ao cargo de presidente, devido a suposta fraude eleitoral nas eleições de outubro.

Os protestos na Bolívia duram mais de duas semanas, depois de oposição e movimentos civis terem denunciado fraudes na contagem dos votos a favor do presidente, que a comissão eleitoral deu como vencedor para cumprir um quarto mandato. Os comitês da oposição não reconhecem a vitória e exigem a renúncia de Evo Morales e a repetição do escrutínio.

AV/lusa,efe

https://www.dw.com/pt-br 



Enquete
Você concorda com a redução de horário das delegacias de Alagoas
Total de votos: 57
Google News