20/11/2019 08:24:35

Especial
22/09/2019 20:00:00

Entenda o que é a sexônia ou sonambulismo sexual

Além de polêmico, o problema pode ser perigoso tanto para a pessoa que o sofre quanto para os seus familiares e companheiros


Entenda o que é a sexônia ou sonambulismo sexual

sonambulismo envolve, basicamente, uma série de comportamentos que não são esperados durante o sono, como levantar-se e falar. E se, durante o descanso, a pessoa tiver relações sexuais e não se lembrar de nada?

Por mais estranho que possa parecer, este distúrbio do sono é real e a condição é conhecida por sexônia ou sexonambulismo.

Além de polêmico, o problema pode ser perigoso tanto para a pessoa que o sofre quanto para os seus familiares e companheiros.

De acordo com o neurologista Lucio Huebra, membro da Academia Brasileira de Neurologia e da equipe DFV Neuro, em declarações à publicação Ativo Saúde, a sexônia é um distúrbio que faz com que a pessoa pratique algum ato sexual enquanto dorme de forma inconsciente. Afetando cerca de 7% da população mundial.

- Parassonias do sono REM (período em que acontecem os sonhos);

- Parassonias não-REM, que também são chamadas de parassonias do despertar: caracterizam-se por despertar parcial associado a comportamentos como falar durante o sono (sonilóquios), andar e utilizar objetos (sonambulismo), além da paralisia do sono e o despertar confuso.

Segundo o neurologista, “o sonambulismo sexual é um episódio de despertar parcial em que o paciente tem uma atividade sexual não motivada por sonhos e sem plena consciência do ato, o que explica porque ele não se lembra do fato no dia seguinte”.

Apesar de ser mais comum em homens (predomínio de 67 a 81% dos casos), também acontece com as mulheres. Seu início é mais comum em adultos, entre os de 26 e os 33 anos.

Como ocorre o sexonambulismo?

A sexônia é um ato automático que resulta de uma falha no sistema nervoso, que se manifesta durante a transição do sono superficial para o profundo por meio de um despertar parcial.

Neste caso, o lobo frontal do cérebro (responsável pelos pensamentos, emoções e juízos de valores) permanece 'fechado', impedindo que as memórias do momento sejam processadas.

Quem sofre de sexonambulismo fica de olhos abertos, consegue visualizar, interpretar e interagir com o ambiente, porém sem o julgamento crítico adequado e, neste caso, com comportamento sexual exacerbado. Como não há lembranças do ocorrido, frequentemente os indivíduos sentem-se constrangidos quando lhes contam o que aconteceu.

“Pode ocorrer em diferentes formas e frequência, como num único episódio na vida ou várias vezes na semana”, explica o neurologista Lúcio Huebra.

Notícias ao Minuto



Enquete
Se a Eleição Municipal fosse hoje qual seria seu candidato preferido?
Total de votos: 2664
Google News