22/11/2019 02:15:49

Brasil
31/08/2019 22:00:00

Acompanhada da PF e da Força Nacional, equipe do Ibama é alvo de tiros no Pará


Acompanhada da PF e da Força Nacional, equipe do Ibama é alvo de tiros no Pará

Uma equipe do Ibama acompanhada de policiais federais e da Força Nacional foi alvo de tiros, na tarde desta sexta-feira (30), próximo à uma área indígena no Pará.

Para a Polícia Federal, a ação criminosa teve o objetivo de intimidar as ações: “Isso não vai nos intimidar, vamos continuar os trabalhos normais”, afirmou o delegado de Polícia Federal Luiz Carlos Porto. Ninguém ficou ferido.

De acordo com o delegado, a equipe formada por 4 fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), 4 agentes da Força Nacional e 8 policiais federais estava em uma operação de fiscalização de áreas de degradação ambiental, quando foi identificado um garimpo ilegal perto da Terra Indígena Ituna/Itatá. No acampamento, foi encontrada uma escavadeira grande, além de máquinas e bombas usadas em garimpos ilegais.

 
Operação conjunta do Ibama, PF e Força Nacional destruiu garimpo ilegal perto de área indígena em Altamira, sudoeste do Pará. — Foto: IbamaOperação conjunta do Ibama, PF e Força Nacional destruiu garimpo ilegal perto de área indígena em Altamira, sudoeste do Pará. — Foto: Ibama

Operação conjunta do Ibama, PF e Força Nacional destruiu garimpo ilegal perto de área indígena em Altamira, sudoeste do Pará. — Foto: Ibama

Os equipamentos menores foram destruídos no local. A escavadeira foi inutilizada e só poderá ser retirada do local com o apoio do 51º Batalhão de Infantaria de Selva. Ao final da ação, no fim da tarde, a equipe foi surpreendida por tiros vindos da mata e policiais federais revidaram.

“A equipe atirou mais ou menos na direção de onde vieram os zunidos, contabilizaram oito tiros, mas não tem como afirmar, e cessou. Então nos retiramos. Acreditamos que eram as pessoas que estavam trabalhando no local e foram para a mata”, detalha o delegado Porto.

O delegado, que trabalha especificamente no serviço de conflitos agrários e ambientais de Brasília, explica que quando a equipe chegou, não havia mais pessoas no acampamento trabalhando, pois eles têm uma comunicação que avisa a chegada da fiscalização.

“Se tivessem mais tempo, tinham até enterrado as bombas, tratores, mas precisa de mais de um dia. Como a equipe vai ostensiva nas viaturas, pega balsa, eles têm um sistema de comunicação nas estradas e vão logo avisando. Se escondem na mata e ficam ali, o equipamento acaba ficando”, explicou ainda o delegado. Ninguém foi preso.



Enquete
Se a Eleição Municipal fosse hoje qual seria seu candidato preferido?
Total de votos: 2727
Google News