15/09/2019 15:13:19

Política
23/05/2019 16:00:00

Líder de caminhoneiros apoia ato pró-Bolsonaro: ‘Vamos para cima deles’


Líder de caminhoneiros apoia ato pró-Bolsonaro: ‘Vamos para cima deles’
Dedeco líder dos caminhoneiros

Um dos líderes da paralisação dos caminhoneiros em maio de 2018, Wanderlei Alves, conhecido como Dedéco, afirmou que a categoria apoia as manifestações pró-governo marcadas para o próximo domingo, 26.

Há exatamente um ano, caminhoneiros insatisfeitos com o preço do óleo diesel iniciaram uma greve que parou o Brasil por dez dias e ampliou a crise no governo Michel Temer. A maior parte do grupo apoiou a candidatura de Jair Bolsonaro e, segundo Dedéco, segue ao lado do presidente.

O líder de caminhoneiros confirmou a VEJA que estará presente no ato em Curitiba e diz ter convocado diversos colegas. Segundo ele, a manifestação é mais um sinal de repúdio ao Congresso do que de apoio a Bolsonaro. Dedéco acusou os parlamentares de estarem travando as pautas do governo e “atrapalhando” a economia do país.

“Não estou apoiando o presidente, mas a governabilidade do país. Eu percebo que o Congresso Nacional está travando muito as pautas do governo. O Brasil está parado por falta de governabilidade”, afirmou.

Para Dedéco, os deputados “atrapalham” o país “desde o governo Dilma”. O líder caminhoneiro classifica o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, como um “traidor da Pátria”. “Se é o Congresso que está atrapalhando o governo, vamos para cima deles. Vamos fazer o país andar e trazer segurança jurídica, para o investidor vir para cá. Caso contrário, vamos entrar numa recessão.”

 

De acordo com o líder caminhoneiro, a maior parte da categoria é simpática a Bolsonaro. “A maioria dos caminhoneiros apoiou o governo, alguns falam em 90%, eu acredito que pelo menos uns 70%. Mas, independentemente disso, o Bolsonaro foi eleito democraticamente e nós não temos de querer derrubá-lo. O Brasil não aguentaria outro impeachment. Temos de apoiá-lo para que ele faça a coisa certa, e se fizer errado vamos cobrar também”, completou.

‘Quem manda no Brasil é o povo’

O líder dos caminhoneiros, que nesta terça-feira estava em Brasília, disse que “tem um ou outro” que não apoia a presença nos atos e que ele próprio reprova algumas atitudes do presidente, mas não acredita que a manifestação possa ser prejudicial ao governo. “Há riscos para o presidente, mas também para o Congresso. Quem manda no Brasil é o povo. Vejo alguns falarem que pode ser um tiro no pé, mas eu acho que o povo tem sim de ir para a rua e mostrar sua insatisfação.”

Dedéco não relacionou sua presença nos atos com um apoio à reforma da Previdência, uma das principais bandeiras do atual governo. “Não conheço na íntegra o texto, então prefiro ficar neutro em relação a isso por enquanto, mas acho que tem de ser feita desde que seja igual para todos sem privilégios para qualquer classe.”

MSN



Enquete
Dos nomes abaixo qual você escolheria votar para Prefeito?
Total de votos: 5042
Google News