21/07/2019 16:08:52

Maceió
16/04/2019 13:45:00

Mais de três mil Sem Terra iniciam Jornada de Lutas em Alagoas


Mais de três mil Sem Terra iniciam Jornada de Lutas em Alagoas

A segunda-feira (15) em Maceió será marcada pela chegada dos Sem Terra de todo o estado de Alagoas, onde iniciam a Jornada Nacional de Luta pela Reforma Agrária.

Ao todo são cerca de três mil trabalhadores e trabalhadoras rurais que dão início aos atos na capital alagoana, com a marcha que sai do Campus A. C. Simões da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), onde realizam ato em defesa da Universidade Pública às 8 horas em frente ao prédio da Reitoria do Campus.

Organizados na Comissão Pastoral da Terra (CPT), no Movimento pela Libertação dos Sem Terra (MLST), Movimento Via do Trabalho (MVT), Movimento de Luta pela Terra (MLT), no Movimento Terra, Trabalho e Liberdade (MTL) e no MST, os camponeses e camponesas iniciam as mobilizações logo nas primeiras horas do dia, nas fileiras da Marcha que deve atravessar a cidade de Maceió nos próximos dias.

De acordo com Carlos Lima, da CPT, a Jornada de Luta do mês de abril é um momento bastante simbólico para os trabalhadores e trabalhadoras Sem Terra.

“Mais uma vez abril será marcado pela luta dos camponeses e camponesas em todo o país e aqui em Alagoas nossa Marcha e nossa mobilização será marcada, mais uma vez, pela unidade daqueles e daquelas que seguem lutando pela terra e por uma Alagoas mais justa”. Carlos Lima, da CPT.

Segundo o coordenador da CPT, uma série de atividades devem ser desenvolvidas ao longo dos dias da Jornada em Maceió, pautada pelas reivindicações políticas dos Sem Terra, mas também em memória daqueles e daquelas que deixaram seu legado na luta pela terra no país.

“Há 23 o Massacre de Eldorado dos Carajás deixava 21 mortos no estado do Pará, nossa luta é também uma resposta coletiva aqueles e aquelas que acreditavam parar nossa luta em cada ameaça e assassinato”. Carlos Lima.

Conhecido internacionalmente, o Massacre de Eldorado dos Carajás marca o dia internacional de luta camponesa, no dia 17 de abril, onde em todo mundo ocorrem lutas em defesa da Reforma Agrária. Durante o Massacre, 21 militantes do MST foram assassinados pela Brigada Militar no estado do Pará há 23 anos atrás e, até hoje, o caso é lembrado pelos Sem Terra durante as Jornadas de Luta no mês de abril.

Defesa da Universidade Pública

A largada da Marcha dos Sem Terra ocorre do Campus A. C. Simões, da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), em Maceió, onde os camponeses e camponesas realizam o ato em solidariedade e em defesa da Universidade Pública, em frente ao prédio da Reitoria na manhã de hoje (15), a partir das 8 horas.

Segundo Débora Nunes, da Coordenação Nacional do MST, o ato dos trabalhadores rurais é uma demonstração simbólica das organizações de luta pela terra na defesa da educação e contra os ataques que as universidades têm sofrido nesse último período.

“Temos vivenciado um avalanche de ataques e ameaças à educação pública, sobretudo contra as universidades públicas, vindas desde o Ministério da Educação desse atual governo, até de ataques dos poderosos que não aceitam que esse espaço também deve ser dos filhos e filhas da classe trabalhadora. Nosso ato é também um recado aos que querem que esse espaço seja um espaço distante da realidade do povo brasileiro, restrito a uma elite, sem cumprir sua função social”. Débora Nunes, da Coordenação Nacional do MST.

Ainda de acordo com a coordenadora do MST, o ato deve reunir professores, estudantes e a gestão da Universidade junto aos Sem Terra. “Vamos reafirmar mais uma vez a disposição dos Sem Terra em abraçar e defender a universidade pública, na luta para que ela tenha a cara do povo e possa responder as demandas reais da nossa sociedade”.

 éassim
 
 
 


Enquete
Em sua avaliação que nota de 0 a 10 você dá ao Governo Bolsonaro
Total de votos: 205
Google News