21/04/2019 21:20:44

Viver Bem
24/02/2019 15:00:00

Nova pesquisa indica que sal pode induzir reação alérgica


Nova pesquisa indica que sal pode induzir reação alérgica
Uma equipe de pesquisadores da Universidade Técnica de Munique demonstrou, em laboratório, que o sal leva à formação de células imunológicas chamadas Th2, que ficam ativas em condições alérgicas, como a dermatite atópica. Os cientistas também detectaram concentrações elevadas de cloreto de sódio na pele dos pacientes de alergias alimentares.
 
Nos países industrializados, quase uma em cada três pessoas é afetada por alergias em algum momento da vida. Uma em cada 10 crianças sofre de dermatite atópica. As células-T desempenham papel importante nas condições imunológicas do tipo. Embora sejam um aspecto vital da resistência do corpo a infecções, se não controladas, também podem desencadear respostas patológicas e começar a atacar partes do próprio organismo em contato com substâncias inócuas, conhecidas por alérgenos.
 
Quando isso ocorre, as células Th2, um subgrupo de células-T, podem causar condições inflamatórias da pele, como a dermatite atópica. Isso envolve um aumento da produção das proteínas interleucina 4 (IL-4) e interleucina 13 (IL-13). Mas cientistas ainda não sabem o que desencadeia o ataque autoimune.
 
O sal de mesa, conhecido cientificamente como cloreto de sódio, é essencial para a saúde de seres humanos e animais. No corpo, ocorre na forma de íons sódio e cloro. No estudo, Christina Zielinski, professora da Universidade Técnica de Munique demonstrou que o sódio pode induzir uma reação nas células-T humanas que faz com que elas produzam quantidades aumentadas das proteínas IL-4 e IL-13. Na presença do sal, alguns tipos de células-T, que não causam alergias, podem, se transformar em Th2, desencadeando a reação alérgica.


Reversão

 
As alterações são revertidas quando a célula-T é novamente exposta a níveis mais baixos de sal. “Consequentemente, os sinais iônicos desempenham um papel na geração e no controle das células Th2”, diz Christina Zielinski. O resultado do estudo foi publicado na edição desta semana da revista Science Translational Medicine.
 
Como especialista em dermatologia, Zielinski diz que seu interesse de pesquisa é a dermatite atópica. Por isso, ela investigou se as regiões da pele afetadas por essa alergia, caracterizada por secura, rachaduras, vermelhidão e coceira, exibiam níveis elevados de sódio. A análise revelou que as quantidades de sal nas lesões dos pacientes da doença eram até 30 vezes mais altas que nas áreas saudáveis da derme.
 
“Os níveis mais altos de sódio na pele afetada combinam nitidamente com outra característica da dermatite atópica”, diz Christina Zielinski. “Sabe-se, há algum tempo, que os pacientes com essa condição apresentam níveis elevados da bactéria Staphylococcus aureus na pele. Trata-se de micro-organismos que prosperam sob condições salinas, diferentemente das bactérias comensais, que são prejudicadas pelo sal.”
 
A pesquisadora acredita que esse conhecimento prévio e os resultados da nova pesquisa são forte indicativo da associação entre o sal e a dermatite atópica. “No entanto, ainda não conseguimos mostrar como essas grandes quantidades de sal chegam à pele”, admite. “Por essa razão, também não temos certeza se uma dieta com pouco ou muito sal pode influenciar nessa ou em outras condições alérgicas.” A equipe espera responder a essa e a outras perguntas em novos estudos interdisciplinares.
 
33% 
Dos adultos que vivem em países industrializados são afetados por alergia em algum momento da vida
 
Correio Braziliense


Enquete
Qual dos nomes elencados abaixo é seu candidato a Prefeito em 2020?
Total de votos: 20032
Google News