14/08/2020 19:38:28

23/03/2009 00:00:00

Mundo


Mundo

LUANDA (Reuters), 23 de março - O Papa Bento XVI encerrou sua primeira viagem à África como pontífice pedindo aos líderes do continente, muito afetado pela pobreza e a corrupção, que ponham os interesses do povo em primeiro lugar.

Ao lado do presidente José Eduardo dos Santos, que governa Angola há quase 30 anos, o Papa afirmou: "Nossos corações não podem encontrar paz enquanto ainda houver irmãos e irmãs que sofrem com a falta de comida, abrigo ou outros bens fundamentais".

"Se me permitem fazer um último apelo, eu pediria que a justa realização das aspirações fundamentais das pessoas mais necessitadas deveria ser a principal preocupação dos que ocupam cargos públicos", disse.

"Porque sua intenção, tenho certeza, é cumprir a missão que receberam, não para si, mas em nome do bem comum", acrescentou ele antes de embarcar para Roma.

A necessidade de eliminar a corrupção e dividir a riqueza foi um tema recorrente na viagem do papa à África, que começou na terça-feira em Camarões e alcançou seu ápice com a missa campal para 1 milhão de pessoas em Angola, no domingo.

Muitos países africanos, como Angola e Camarões, são ricos em recursos naturais, mas a maioria das populações vive na pobreza. Críticos dizem que os governantes usam esses recursos para se enriquecer.

O pontífice afirmou que "o primeiro desafio a superar é o de construir a solidariedade entre as gerações..., o que deveria levar a uma partilha mais equitativa dos recursos da Terra entre as pessoas".

Bento XVI encerrou seu pronunciamento manifestando preocupação com a segurança dos inúmeros refugiados das guerras do continente, onde o catolicismo registra a sua maior expansão atual.

"Peço a Deus que conceda proteção e assistência aos incontáveis refugiados que fugiram do seu país e agora estão por aí, esperando para que possam voltar para casa", afirmou.

No domingo, o Papa fizera um apelo específico pela paz na República Democrática do Congo.

A passagem do pontífice por Angola foi marcada pela morte de duas pessoas num tumulto ocorrido no sábado no acesso a um estádio no centro da capital, horas antes de um evento do Papa com jovens.

O governo angolano investiu bilhões de dólares para reconstruir o país, rico em petróleo e diamantes, depois da guerra civil (1975-20002), mas ainda está em 158º entre 180 países no ranking de percepção da corrupção da entidade Transparência Internacional.

Por Henrique Almeida e reportagem adicional de Philip Pullella



Enquete
Qual o candidato de sua preferência para a Prefeitura de União dos Palmares?
Total de votos: 9615
Google News